IP lança novo concurso para modernizar troço ferroviário na linha da Beira Alta

  • Lusa
  • 20 Janeiro 2020

O novo concurso lançado pela Infraestruturas de Portugal vai servir para modernizar o troço Pampilhosa - Santa Comba Dão, na linha da Beira Alta e conta com um preço base de 80 milhões de euros.

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou um novo concurso para a modernização do troço Pampilhosa – Santa Comba Dão, na linha da Beira Alta, com um preço base de 80 milhões de euros, anunciou esta segunda-feira a empresa.

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa, a IP explica que a necessidade de promover um novo concurso público para a Empreitada de Modernização do Troço Pampilhosa – Santa Comba Dão da Linha da Beira Alta e de Construção da Concordância da Mealhada, deriva de no procedimento anterior, concluído em novembro, todas as empresas ou consórcios interessados terem apresentado “propostas acima do preço base de concurso, pelo que não foram consideradas”.

A empresa que tutela a rede ferroviária nacional adianta que o novo concurso, publicado esta quinta- feira em Diário da República, tem um preço base de 80 milhões de euros “reajustado à oferta de mercado disponível” e a obra um prazo de execução previsto de 810 dias, cerca de dois anos e três meses.

 

A IP acrescenta que a empreitada “mantém os objetivos e trabalhos definidos inicialmente”, nomeadamente a execução, entre outras, de uma intervenção no troço de 34 quilómetros (km) de via férrea entre aquelas duas localidades dos distritos de Aveiro e Viseu, com “substituição integral da superestrutura de via com utilização de travessas monobloco polivalentes em betão e carril 60 E1”.

Os trabalhos incluem ainda a alteração do layout da estação de Mortágua “para cruzamento de comboios de 750 metros de comprimento e otimização das condições de exploração”, remodelação da referida estação e apeadeiros, “incluindo alteamento, alargamento e prolongamento de plataformas, edifícios e acessibilidades” ou a construção de infraestruturas de suporte à componente de sinalização e telecomunicações.

A intervenção passa ainda pela reabilitação ou reforço de dez túneis e oito pontes e supressão de duas passagens de nível no Luso e na Mealhada, com construção das respetivas passagens desniveladas.

Já a obra da chamada “Concordância da Mealhada” inclui, entre outras, a construção de uma ligação “direta eletrificada entre a Linha do Norte e a Linha da Beira Alta, a norte da estação da Pampilhosa, com 3,2 km” de extensão e um viaduto ferroviário com cerca de 1,2 km.

A IP frisa que com a conclusão da intervenções de modernização da Linha da Beira Alta “prevê-se alcançar uma redução de mais de 120 milhões de toneladas de CO2 [dióxido de carbono] até 2016 e ao mesmo tempo aumentar em cerca de 20% o número de comboios a circular por ano e de 26% do número de toneladas/ano transportadas por esta linha”, que é a principal ligação ferroviária à Europa.

“No quadro do plano de investimentos Ferrovia 2020, a Ligação Porto/Aveiro – Vilar Formoso (através da Linha da Beira Alta) é definida como um projeto prioritário que visa reforçar a ligação do norte e centro de Portugal com a Europa por caminho-de-ferro, de modo a viabilizar um transporte ferroviário de mercadorias eficiente, potenciando o aumento da competitividade da economia nacional”, adianta a IP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IP lança novo concurso para modernizar troço ferroviário na linha da Beira Alta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião