Governo suspende 18 obras na ferrovia do Norte e Centro

  • ECO
  • 19 Novembro 2019

As 18 intervenções prioritárias na ferrovia do Norte e Centro apresentadas pelo Executivo em 2016 foram adiadas ou canceladas. Exemplo dessa suspensão é a eletrificação da linha do Douro ou do Minho.

A Ferrovia é considerada uma das grandes apostas do Governo. Ainda assim, 18 obras previstas no programa Ferrovia 2020 foram atrasadas ou adiadas pela Infraestruturas de Portugal (IP), sendo que pelo menos uma ficou sem data de execução, avança o Diário de Notícias (acesso pago). Este programa de recuperação e modernização dos caminhos-de-ferro foi apresentado em fevereiro de 2016 e previa um investimento de dois mil milhões de euros.

A eletrificação da linha do Douro, por exemplo, estava prevista estar terminada no final deste ano. No entanto, a eletrificação do troço entre Marco de Canaveses e a Régua foi cancelada devido a uma alteração do “consórcio projetista”. “As dificuldades técnicas evidenciadas pelo consórcio projetista obrigaram à revogação do contrato. A IP está atualmente a concluir a contratação de um novo consórcio projetista”, explica a empresa liderada por António Laranjo ao DN.

Também no Norte foi adiada a renovação do troço entre Válega e Espinho para 2022/2023, cuja conclusão estava prevista para setembro deste ano. “Nesta fase está a ser elaborado o projeto de execução, prevendo-se o lançamento do concurso de empreitada durante o ano de 2020”, esclarece a IP. Também a eletrificação da linha do Minho está a atrasada, sendo que apenas está concluída a sinalização.

O Diário de Notícias refere ainda que a ligação entre Espinho e Gaia só deverá estar terminada em 2022, o que representa um atraso de quase três anos relativamente à meta inicial. “Não temos quadros suficientes nas empresas, nem sequer na IP, como gente especializada em catenária. Também falta mão-de-obra para se poder fiscalizar as obras“, justifica o Bastonário da Ordem dos Engenheiros. Carlos Mineiro Aires sublinha que a isto “somam-se os maus financiamentos e o lançamento apressado de concursos”.

Além disso, há ainda um plano de renovação do troço entre a Covilhã e a Guarda, que deverá ficar pronto no terceiro trimestre de 2020, dois anos depois do previsto. A ligação entre a Pampilhosa da Serra e a Guarda vai estar encerrada entre o terceiro trimestre de 2021 e o primeiro trimestre de 2022. Pampilhosa da Serra e Mangualde só deverão ficar ligados em 2023.

No que toca à Beira Alta, a IP espera concluir os trabalhos no início de 2023. Por outro lado, na linha do Oeste a demora é ainda mais longa. No troço entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha as obras só deverão arrancar no terceiro trimestre do próximo ano, precisamente na altura em que era previsto estarem concluídas. Já a Malveira e Torres Vedras deve ficar fechada entre novembro de 2021 e março de 2022. No Algarve, a eletrificação entre Tunes e Lagos e Faro e Vila Real de Santo António só deve ficar concluída em 2023.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo suspende 18 obras na ferrovia do Norte e Centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião