Arranca Davos. Estes portugueses vão estar no Fórum Económico Mundial

  • ECO
  • 21 Janeiro 2020

Mais de 3.000 participantes vão estar em Davos, no Fórum Económico Mundial. Há portugueses, alguns repetentes. Centeno vai à Suíça enquanto presidente do Eurogrupo.

Cláudia Azevedo, Carlos Gomes da Silva, Cristina Fonseca e Stephan Morais, além de António Guterres. Estes são alguns dos portugueses que vão estar em Davos a participar no Fórum Económico Mundial que começa esta terça-feira, um dia depois da ligeira revisão em baixa nas previsões de crescimento global, incluindo a Zona Euro.

Na sua qualidade de secretário-geral das Nações Unidas, Guterres repete a presença no encontro, mas não é o único a fazê-lo. Cláudia Azevedo, também vai estar presente, repetindo a visita que fez em 2019. No ano passado, a poucos meses de assumir o cargo de CEO da Sonae, sucedendo ao irmão Paulo Azevedo, Cláudia Azevedo já tinha ido a Davos.

 

Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp, também volta a marcar presença em Davos. O líder da petrolífera nacional vai participar num fórum que se prevê muito centrado nas questões ambientais. A ativista Greta Thunberg, uma das estrelas deste ano, irá dizer aos líderes mundiais para “abandonar a economia de combustíveis fósseis”.

Também Cristina Fonseca, fundadora da Talkdesk, uma empresa que ajuda outras a modernizar o serviço ao cliente ao fornecer serviços de call center alojados na cloud. Stephan Morais, partner da Indico Capital Partners, um fundo de capital de risco, é outro dos empreendedores portugueses que estará em Davos.

Estes são alguns dos portugueses que estarão no evento anual, realizado na Suíça, sendo que este ano não estará nenhum membro do Executivo de António Costa em representação do Governo português. Fonte oficial das Finanças diz ao ECO que Mário Centeno estará presente na qualidade de presidente do Eurogrupo.

No ano passado, a representação do Governo foi assegurada pelo então ministro da Economia, atual ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, e pelo secretário de Estado da Internacionalização Eurico Brilhante Dias.

Quem também não marcará presença será Isabel do Santos. A filha do ex-presidente de Angola foi afastada à última hora, isto depois de o consórcio internacional de jornalistas ter revelado 715 mil documentos que indicam que a empresária angolana desviou mais de 100 milhões de dólares de Angola.

Foco nos “stakeholders”

Entre os principais oradores internacionais estão, além da ativista ambiental Greta Thunberg, o presidente dos EUA, Donald Trump, a chanceler alemã, Angela Merkel, além de Christine Lagarde, a presidente do Banco Central Europeu.

O Fórum Económico Mundial realiza-se em Davos, na Suíça, entre os dias 21 e 24 de janeiro. Neste encontro vão estar presentes mais de 3.000 líderes mundiais que se destacam nos negócios ou na política.

No ano em que faz 50 anos, o Fórum Económico Mundial decidiu fazer um novo manifesto para atualizar a sua mensagem, onde defende o conceito de stakeholder capitalism, um tipo de capitalismo que tem no centro da sua ação todas as partes interessadas, desde os trabalhadores, aos compradores, além dos donos das empresas.

As alterações climáticas são um dos temas-chave do encontro, cujo

Num encontro cujo tema chapéu é “Stakeholders para um mundo coeso e sustentável”, as alterações climáticas serão um dos temas-chave. Na agenda estão ainda temas como a tecnologia ao serviço do bem, a sociedade e o futuro do trabalho e economias mais justas, entre outros.

(Notícia atualizada às 10h49 com a informação, avançada pelas Finanças ao ECO, de que Mário Centeno vai estar presente em Davos como presidente do Eurogrupo)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arranca Davos. Estes portugueses vão estar no Fórum Económico Mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião