Isabel dos Santos banida da cimeira de Davos

No Fórum Económico Mundial, que arranca esta semana, são esperados 50 chefes de Estado. Isabel dos Santos era uma das participantes, mas o nome dela foi riscado. O sponsor da Unitel está tremido.

A empresária angolana Isabel dos Santos durante uma entrevista à agência Lusa à margem de uma visita que realizou a Cabo Verde.Eneias Rodrigues/LUSA 13 Outubro, 2019

Os grandes bancos estão a recusar ter relações comerciais com Isabel dos Santos e com o marido Sindika Dokolo e o Fórum Económico Mundial terá mesmo riscado o nome da empresária da lista de participantes que vão estar, já a partir desta terça-feira, em Davos para a mega cimeira onde são esperados 50 chefes de Estado e de Governo e cerca de 2.800 participantes.

A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian que faz parte do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação que este domingo fez várias relevações que envolvem o nome da filha do ex-presidente angolano.

Segundo este consórcio de jornalistas, do qual fazem parte também o Expresso e a SIC, no último terço do seu mandato à frente da Sonangol, até novembro de 2017, Isabel dos Santos fez com que a petrolífera estatal angolana, para a qual tinha sido nomeada pelo pai, o então Presidente de Angola, transferisse mais de 100 milhões de dólares de fundos públicos para uma empresa no offshore do Dubai.

Esta empresa aparentemente terá ligações a Isabel dos Santos. Daquele montante, cerca de 57 milhões de dólares foram pagos em três transferências executadas já depois de a empresária angolana ter sido demitida da petrolífera por um decreto do então recém-eleito Presidente, João Lourenço.

Esta notícia surge depois de, no final do ano passado, o Tribunal Providencial de Angola ter ordenado o arresto preventivo de vários bens de Isabel dos Santos, em Angola. A Justiça angolana também ordenou que fossem congeladas contas bancárias do casal Isabel dos Santos e Sindika Dokolo.

O jornal The Guardian escreve que, à medida que vão sendo conhecidos os escândalos a envolver a família Dos Santos, os grandes bancos têm evitado relações com o casal, por indicação dos departamentos de compliance que temem ficar associados a casos de corrupção. Conta o jornal britânico que no caso de Dokolo, pelo menos desde 2001, não consegue abrir contas bancárias em Londres e em Paris.

Unitel patrocinou Davos. Mas Isabel dos Santos não entra

Outro sinal de que a comunidade internacional está a evitar relações com a família Dos Santos vem de Davos, a localidade nos Alpes suíços que esta semana recebe milhares de pessoas que vão participar no Fórum Económico Mundial.

Conta o jornal britânico, que o nome de Isabel dos Santos “foi riscado” da lista de participantes do Fórum Económico Mundial que arranca amanhã e junta grandes empresários, banqueiros, banqueiros centrais, políticos, ativistas, sociedade civil, etc… O ECO consultou o site da organização do evento e de Angola eram aguardados três participantes: um deles ligado ao setor energético/ambiental, outro às tecnologias de informação e um terceiro identificado como uma “figura pública”.

A Unitel, empresa de telecomunicações angolana, é uma das patrocinadoras desta reunião em Davos, mas a organização já veio avisar que está “a reavaliar a sua participação”.

Isabel dos Santos e o marido Sindika Dokolo (à esquerda da empresária), numa conferência da Efacec.Egídio Santos/ECO

Em março de 2019, foi noticiado que a Unitel, detida em 25% por Isabel dos Santos, tornou-se na primeira empresa angolana a integrar a lista de Parceiros do Fórum Económico Mundial (WEF, na sigla inglesa). O WEF apresentava a Unitel International Holding como “uma companhia telefónica pan-africana, operando uma rede baseada nos padrões GSM e UMTS, oferece comunicações de voz, texto e mensagens multimédia, bem como acesso à internet no telemóvel, e cobre todas as cidades de Angola desde 2011, tendo ainda investido recentemente noutros países africanos”.

A abertura do abertura do Fórum de Davos 2020 decorre amanhã, mas já esta segunda-feira há uma cerimónia comemorativa do 50.º aniversário do Fórum Económico Mundial, onde vai discursar Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

Em reação às revelações feitas este domingo pelo Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação, Isabel dos Santos escreveu vários tweets onde apresenta a sua versão dos factos, e não só.

“A minha fortuna nasceu com meu caráter, minha inteligência, educação, capacidade de trabalho, perseverança. Hoje com tristeza continuo a ver o ‘racismo’ e ‘preconceito’ da Sic e Expresso, fazendo recordar a era ‘colônias’ em que nenhum africano pode valer o mesmo que um ‘Europeu’”, escreveu Isabel dos Santos num tweet publicado escassos minutos antes da publicação da reportagem no site do jornal Expresso.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos banida da cimeira de Davos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião