Paulo Pedroso abandona PS

  • ECO
  • 21 Janeiro 2020

Para além da saída do Partido Socialista, o ex-ministro socialista, Paulo Pedroso, já confirmou que deixará de ser administrador do Banco Mundial no próximo mês.

O ex-ministro socialista Paulo Pedroso deixou de ser militante do PS e deixará de ser administrador no Banco Mundial a 15 de fevereiro, confirmou ao Expresso (acesso pago).

Paulo Pedroso aproveitou as redes sociais para partilhar a decisão. “Hoje sou um socialista democrático, preocupado com o futuro do sindicalismo e desvinculado da militância partidária”, escreveu no Facebook. O antigo secretário de Estado confirmou ao Expresso que já não é militante do PS, mas não adiantou justificações para a sua decisão.

” src=”https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fpaulojfpedroso%2Fposts%2F174556877258235&width=500″ width=”500″ height=”625″ style=”border:none;overflow:hidden” scrolling=”no” frameborder=”0″ allowtransparency=”true” /]

As saídas não ficam por aqui e o ex-ministro quer desvincular-se do mandato enquanto administrador no Banco Mundial. Escreveu no Twitter: “Ainda no Conselho de Administração do Banco Mundial, mas de saída”. Paulo Pedroso foi nomeado para este cargo pelo ministro das Finanças em 2018, para um mandato de dois anos que termina no próximo mês. Depois deste mandato em Washington, Pedroso tenciona voltar a Portugal para se dedicar à vida académica.

Nos últimos tempos, o ex-ministro socialista tem usado as redes sociais para tecer críticas à governação de António Costa, nomeadamente a o processo de venda de imóveis da Segurança Social à Câmara Municipal de Lisboa, que teve como protagonistas o ministro Vieira da Silva e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Pedroso abandona PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião