Wall Street recua de máximos preocupado com vírus da China

Um doente no Estado de Washington foi diagnosticado com o novo vírus detetado até agora apenas na China. Surto viral deixou Wall Street no vermelho, depois de vários dias a bater recordes.

Wall Street recuou face aos máximos de sempre alcançados na última sessão. Os investidores regressaram esta terça-feira ao ativo, após o feriado do Dia de Martin Luther King, celebrado esta segunda. Mas o regresso ficou marcado pelos receios em relação ao surto viral na China — que já chegou aos EUA — e pelo pessimismo do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O S&P 500 recuou 0,32% para 3.318,67 pontos. Também o industrial Dow Jones e o tecnológico Nasdaq cederam 0,60% e 0,22%, respetivamente. Os três principais índices fecharam abaixo da linha de água depois de várias sessões seguidas de baterem recordes.

Para este desempenho negativo contribuíram as notícias em relação ao surto do vírus na China, que já conheceu desenvolvimentos nos EUA. Um doente no Estado de Washington foi diagnosticado com o novo vírus que causa pneumonias virais e que já provocou a morte a seis pessoas na China.

Foi neste cenário que as ações mais expostas à China foram as mais castigadas. A United Airlines caiu mais de 4% e a Carnival perdeu mais de 2%. Os operadores de hotéis e casinos Las Vegas Sands e Wynn Resorts, com negócios no mercado chinês, perdem mais de 5%. A siderúrgica United States Steel tombou 5%.

Na frente macroeconómica, as notícias também não foram favoráveis. O FMI cortou as previsões para o crescimento da economia mundial em 2020 e 2021. Também as perspetivas para a evolução económica na Zona Euro foram revistas em baixa pelo organismo liderado por Kristalina Georgieva.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recua de máximos preocupado com vírus da China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião