Guilherme Taveira Pinto, o português que facilitaria “comissões” e subornos em Angola

  • ECO
  • 22 Janeiro 2020

É português e é um dos nomes associados ao escândalo Luanda Leaks. Já tem um mandado de captura internacional emitido por Espanha para que seja detido por suspeitas de subornos.

Guilherme Augusto de Oliveira Taveira Pinto é mais um dos nomes portugueses envolvidos no Luanda Leaks. O português do qual não se sabe muito, seria “um dos homens chave” em termos de subornos na trama revelada pelo consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, avançou o Observador (acesso pago).

Sabe-se que o empresário, de aproximadamente 65 anos, tem dupla nacionalidade e passaporte angolano. Já existe mesmo um mandado de captura internacional emitido por Espanha para que seja detido por suspeitas de subornos em contratos públicos de empresas espanholas em Angola.

Estes documentos do Luanda Leaks têm detalhes sobre negócios entre empresas estrangeiras e o Estado angolano que se suspeita terem sido contabilisticamente inflacionados para poder distribuir subornos e comissões ilegais a “funcionários públicos” de Angola. E é aqui que entra o nome do português Guilherme Augusto de Oliveira Taveira Pinto. Todavia, desde 2016, que o seu paradeiro é desconhecido.

Segundo as fontes do El Mundo, o português era “o homem para tudo” das empresas espanholas que tinham negócios em Angola e os seus contactos com “gente do Governo” angolano eram “bem conhecidos”, assim como a boa relação que tinha com o Ministério do Interior espanhol.

Espanha devia ter vendido armas à polícia de Luanda por 153 milhões, “mas aproximadamente 60 milhões desapareceram e só chegou ao destino metade da mercadoria”. Parte do dinheiro desviado poderá ter sido utilizado para a compra de um Porsche Panamera, ações de uma empresa de segurança e uma inscrição num Safari, chegou a avançar o portal espanhol Zoomnews.

O papel do português terá sido o de “facilitador” para “contactar com as pessoas adequadas” em Angola e conseguir a adjudicação do contrato, mas teria também tido um papel essencial na distribuição dos alegados subornos milionários, que foram investigados pela justiça espanhola que o constituiu arguido.

Segundo o jornal espanhol El Mundo, que teve acesso a documentos judiciais, o português com passaporte angolano era suspeito de se mover em Luanda desde os anos 90 e de conseguir contratos públicos em Angola para empresas públicas espanholas, “mediante o pagamento de comissões ilícitas a terceiros”. Pelos negócios, recebia uma “comissão de sucesso”. Parte dessas comissões (uma percentagem de 1,75%), acreditam as autoridades espanholas, ficava para si e para as suas empresas — uma grande fatia ia para altos funcionários angolanos, em especial da Polícia Nacional angolana.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guilherme Taveira Pinto, o português que facilitaria “comissões” e subornos em Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião