Gonçalves Pereira substitui Assunção Cristas no Parlamento na segunda-feira

  • Lusa
  • 26 Janeiro 2020

A líder cessante do CDS, Assunção Cristas, deixa na segunda-feira o cargo de deputada na Assembleia da República, sendo substituída por João Gonçalves Pereira, líder da distrital de Lisboa.

A líder cessante do CDS-PP, Assunção Cristas, deixa na segunda-feira o cargo de deputada na Assembleia da República, sendo substituída por João Gonçalves Pereira, líder da distrital de Lisboa do partido, adiantou o próprio à Lusa.

“A partir de amanhã tomarei posse na Assembleia da República, sempre com o mesmo espírito de missão das outras vezes que estive no Parlamento e, portanto, espero estar à altura, mais uma vez, de cumprir aquilo que são os desafios do partido em sede parlamentar“, disse o líder da distrital de Lisboa do CDS.

João Gonçalves Pereira — o nome que se segue na lista de candidatos que o CDS apresentou por Lisboa às eleições legislativas — já foi deputado e é também vereador na Câmara Municipal de Lisboa, onde continuará ao lado da líder cessante. A data da saída, apontou, foi combinada “em perfeita harmonia com a Assunção Cristas”. “Aliás, ela já o tinha anunciado publicamente e, portanto, é um processo natural de transição”, disse.

Poucos dias depois de ter anunciado que iria deixar a presidência do CDS-PP, Cristas adiantou que sairia igualmente do Parlamento depois do 28.º Congresso, que termina este domingo. A partir de agora, mantém-se como vereadora na Câmara de Lisboa e como docente universitária.

À Lusa, Gonçalves Pereira apontou que vai propor que os deputados centristas defendam na Assembleia da República “algumas ideias deste congresso” e das propostas apresentadas pelos órgãos de Lisboa ao congresso. “Espero que seja um trabalho profícuo e com resultados, não só para o partido mas acima de tudo para o país”, salientou.

Agora, segue-se “uma conversa esta semana com a líder parlamentar”, Cecília Meireles, para definir que a que pastas é que o deputado se irá dedicar e que comissões integrará. “Normalmente essas pastas transitam, normalmente é essa a prática, [mas] não quer dizer que não possa haver um ou outro ajuste”, assinalou, ressalvando que “seguramente não haverá nenhum problema”.

Apesar de conhecer alguns dos assuntos tratados por Cristas, existem outros que vê como uma oportunidade: “Ela tem ali outras que têm enormes desafios, e onde eu acho que posso trazer e criar valor parlamentar às mesmas”. Assim, João Gonçalves Pereira deverá integrar as comissões de Agricultura e Mar, Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação e, ainda, Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, a única que “não seria uma novidade” para o autarca.

Questionado sobre o facto de os deputados terem manifestado apoio a João Almeida, cuja moção foi a segunda mais votada, o dirigente centrista mostrou-se “disponível para ajudar o candidato que saísse desta liderança”.

Apontando que “há sempre um desafio que se impõe, de relacionamento entre o grupo parlamentar e a direção” de Francisco Rodrigues dos Santos, o centrista não antevê “que possa haver particular problema”. “As pessoas que estão no Parlamento são pessoas responsáveis, no partido também e, portanto, eu penso que desde que haja canais de comunicação e de diálogo permanentes, não vejo nenhuma razão a que haja algum problema”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gonçalves Pereira substitui Assunção Cristas no Parlamento na segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião