Em pleno caso Luanda Leaks, general “Dino” pode vender 10% da Puma Energy à Trafigura

  • Lusa
  • 27 Janeiro 2020

A Trafigura está a negociar a compra de mais 10% da Puma Energy a uma empresa controlada por Leopoldino Nascimento, o general que faz parte da cúpula da família Dos Santos.

A intermediária de matérias-primas Trafigura está em negociações com o distribuidor de combustíveis Puma Energy para comprar 10% da participação do general angolano Leopoldino Fragoso do Nascimento, conhecido por “Dino”, que ficaria com 5% da empresa.

De acordo com o Financial Times, a Trafigura, uma das principais negociantes em matérias-primas, nomeadamente petróleo, está a negociar um complexo acordo de reestruturação financeira, que fará com a que a Cochan, um veículo de investimento fundado pelo general “Dino”, reduza a sua participação na Puma, que é detida em 28% pela Sonangol, de 15% para menos de 5%.

A Trafigura, que já detém 49% da Puma, venderia depois as ações que comprar à Cochan novamente à Puma, assim conseguindo manter a sua percentagem acionista abaixo dos 49% e evitando consolidar a Puma nas suas contas.

A dívida da Puma, no final de setembro, era de 1,68 mil milhões de dólares, e esta operação poderia ajudar a distribuidora de combustíveis a alargar a base de investidores, de acordo com a estratégia da Trafigura, segundo o jornal económico britânico, que coloca o valor da empresa em quase 3,6 mil milhões de dólares.

O general “Dino” é apresentado pelo FT como um “antigo conselheiro do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos” e a notícia afirma que “as conversações sobre a Puma surgem numa altura em que Isabel dos Santos foi acusada em Angola de lavagem de dinheiro”, acrescentando que a empresária “repetidamente negou todas as acusações”.

A Trafigura tem uma ligação antiga a Angola, onde chegou a ter quase o monopólio de importação de combustíveis no país através do Grupo DTS, em conjunto com a Cochan, do general “Dino”, e onde ganhou, em maio do ano passado, o concurso para fornecer gasóleo à Marinha.

Em novembro do ano passado, ficou conhecido também o envolvimento da Trafigura no escândalo brasileiro Lava Jato, quando o Ministério Público brasileiro realizou buscas às empresas Vitol e Trafigura, na Suíça, procurando provas para as suspeitas de pagamentos a funcionários da Petrobras em troca da obtenção de contratos.

Poucos meses depois de chegar ao poder, o atual presidente de Angola, João Lourenço, ordenou o lançamento de um concurso para a importação de combustível, já que Angola, apesar de ser o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana, tem uma capacidade de refinação muito limitada, obrigando à importação da quase totalidade do combustível que consome.

Assim, em janeiro de 2018, a Sonangol anunciou a abertura do concurso que, na prática, acabou com o monopólio da Trafigura, até então o maior vendedor de petróleo refinado a Angola e que controla 49% da Puma Energy, dona das bombas angolanas de combustíveis da marca Pumangol.

Segundo um relatório da Organização Não Governamental (ONG) suíça Public Eye, a Trafigura é uma holding em que o petróleo representa 67% do lucro, em 2015, tendo ativos físicos de quase 40 mil milhões de dólares, “incluindo minas, navios, tanques de armazenagem, bombas de gasolina e oleodutos”.

O general Leopoldino Fragoso do Nascimento foi o antigo responsável pelas telecomunicações presidenciais entre 1995 e 2010, tendo sido também ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança durante o regime de José Eduardo dos Santos.

“Dino” fez parte do chamado triunvirato que gravitava à volta da família de José Eduardo dos Santos, juntamente com o general Hélder Vieira Dias Júnior (“Kopelipa”) e o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente.

Entre as principais participações empresariais conhecidas do general “Dino” estão também o Banco Económico, que resultou da falência do Banco Espírito Santo Angola e o grupo de comunicação social luso-angolano Newshold, para além da participação de 15% na Puma Energy.

No final do ano passado, a Polícia Judiciária portuguesa terá intercetado uma transferência de 10 milhões de euros da conta de “Dino” no Millenium BCP a caminho da Rússia, acreditando-se que o destinatário era Isabel dos Santos, o que o general desmente.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Em pleno caso Luanda Leaks, general “Dino” pode vender 10% da Puma Energy à Trafigura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião