BRANDS' PESSOAS Novas formas de resolução de problemas: o Inquérito Apreciativo

  • BRANDS' PESSOAS
  • 27 Janeiro 2020

Joana Gonçalves Rebelo, EY Manager, People Advisory Services, explica o que é o Inquérito Apreciativo e como podem as organizações implementar esta estratégia de resolução de problemas diferenciadora.

O inquérito apreciativo baseia-se na reflexão sobre os momentos em que a organização está no seu melhor e na extrapolação desses momentos para a idealização do que poderá vir a ser a organização no futuro.

Ao longo do ciclo de vida de uma organização vários problemas vão surgindo e, dependendo do seu grau de complexidade, a solução pode ser encontrada de forma mais imediata ou mais demorada.

Nos casos em que os desafios são mais complexos, é usual serem reunidas equipas de trabalho especializadas para discutirem a questão e procurar “resolver o que está estragado”. No entanto, a abordagem de tentar resolver o que está errado deriva num esmiuçar do problema até à sua mais ínfima fração, o que não só amplifica a sua dimensão como também acarreta consequências menos positivas para os intervenientes, nomeadamente a perda de energia, o diminuir da motivação e o consumo excessivo de tempo…

David Cooperider e Suresh Srivastva na década de 80 desenvolveram uma estratégia de resolução de problemas diferenciadora – o Inquérito Apreciativo. Este baseia-se na reflexão sobre os momentos em que a organização está no seu melhor e na extrapolação desses momentos para a idealização do que poderá vir a ser a organização no futuro.

Fazendo uso de questões de base positiva (exemplo: em que ocasiões é que a nossa organização está no seu melhor?), são trabalhados os temas de base, observando os pontos fortes organizacionais e refletindo sobre os motivos que levam a organização a estar no seu melhor, gerando bem-estar e confiança sobre a sua própria identidade. Assim, a construção da própria solução será sempre mais positiva. “Apreciar e valorizar o já alcançado no passado traz benefícios não só para as organizações e suas equipas, mas também para o desenvolvimento pessoal dos indivíduos e crescimento e bem-estar das famílias, grupos informais e comunidades, promovendo a sua capacidade de planeamento e ação, reforçando a confiança no seu potencial”, lê-se no website do Inquérito Apreciativo.

inquerito-apreciativo

Como funciona o Inquérito Apreciativo?

O Inquérito Apreciativo é aplicado em quatro fases: descobrir, sonhar, design e criar.

Durante a primeira fase, “descobrir”, são constituídos grupos de trabalho com elementos heterogéneos, que são convidados a recordar histórias de sucesso organizacional e respetiva análise dos fatores que levaram a esse sucesso.

Durante o “sonhar”, as equipas projetam o futuro desejável. O facto de terem grupos de elementos diversos em termos de experiências e áreas de atuação organizacional vai potenciar multiplicidade de visões e geração de ideias.

O passo seguinte passa pelo “design” de soluções concretas. Após uma fase de brainstorm e geração de ideias, os grupos são convidados a analisá-las e decidir aquelas que mostram ter maior potencial de resposta ao desafio colocado. Iniciativas e ações são desenhadas de forma a criar um plano de execução.

Por fim, surge a “criação” com a implementação das ações desenhadas, dando início ao processo de mudança e efetivando ações para ir ao encontro da solução.

inquerito-apreciativo

Este processo de mudança organizacional assenta em pressupostos colaborativos e de cocriação entre equipas, tendo vantagens múltiplas na sua aplicação organizacional. É uma estratégia que aproxima a organização de um futuro ideal por oposição à resolução tradicional – por afastamento do indesejável. Acelera o compromisso para a implementação da mudança e reforça os níveis de engagement, responsabilidade e comunicação que impactam a retenção e promovem a discussão aberta, criativa e inclusiva de todos os participantes.

Cada vez mais as organizações têm preocupações relativas ao bem-estar dos seus colaboradores, promovendo programas focados na saúde, equilíbrio familiar e profissional, etc, revelando uma visão cada vez mais positiva da abordagem à retenção de talento. Será por isso interessante analisar se os processos internos desenhados suportam os investimentos feitos em estratégias de bem-estar. E a sua organização, como ultrapassa os seus desafios?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas formas de resolução de problemas: o Inquérito Apreciativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião