Sustentabilidade? É “oportunidade” de retornos com “forte procura”

Finanças sustentáveis foram o tema da nona edição da conferência anual da Euronext Lisbon, Via Bolsa. O tema está a tornar-se incontornável para investidores, que além do impacto conseguem ganhos.

O financiamento da transição económica necessária para que haja crescimento sustentável é uma oportunidade de investimento que poderá vir a trazer retornos. E já há uma forte procura para financiar estes projetos, segundo a presidente da Euronext Lisbon, Isabel Ucha, e o diretor da cooperação para o desenvolvimento na OCDE, Jorge Moreira da Silva.

Os dois juntaram-se num painel na conferência anual da bolsa de Lisboa, a Via Bolsa, que se realizou esta segunda-feira em Lisboa, com o tema das finanças sustentáveis e que teve o ECO como media partner. “O problema não é de volume [de financiamento], é de saber que incentivos há para que o dinheiro não vá para onde vai sempre. O Investimento Direto Estrangeiro desempenha um papel fundamental para as economias”, defendeu Moreira da Silva.

O responsável da OCDE lembrou que há atualmente 30 biliões de dólares a nível mundial geridos com algum tipo de critério de sustentabilidade (ambiental, social ou de governo de sociedade). O número compara com os 2,5 biliões necessários para financiar os 17 objetivos de desenvolvimento da ONU.

Mas para que o financiamento seja alocado a estes projetos “tem de haver retorno do investimento, tem de haver lucro“, sublinhou o responsável da OCDE, apontando ainda para a necessidade de haver confiança. “Não pode haver greenwashing”, referiu.

Do lado do financiamento, Isabel Ucha garante que há interesse dos investidores nacionais, tal como dos internacionais. “Se todos os investidores — pelo menos os mais importantes, estão a integrar critérios de sustentabilidade, esta vai ser uma importante mudança. Vamos ter de incorporar estes critérios [ambientais, sociais e de bom governo corporativo] nas nossas atividades. Com algum sentido de urgência, diria”, afirmou Isabel Ucha.

A Euronext lançou, em outubro, um novo segmento dedicado à dívida verde (green bonds) e criou novos índices acionistas dedicados ao ESG. Por haver uma “forte procura”, dois terços dos índices criados no ano passado tinham estes critérios, como explicou Isabel Ucha. “Este é o contexto, do qual vão resultar vencedores e vencidos. Temos de escolher de que lados estamos“, acrescentou Moreira da Silva.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sustentabilidade? É “oportunidade” de retornos com “forte procura”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião