Isabel Ucha vê “urgência” na incorporação de critérios de sustentabilidade nas finanças

Presidente da Euronext Lisbon esteve, esta segunda-feira, na conferência anual Via Bolsa, que conta com o ECO como media partner. O tema deste ano são finanças sustentáveis.

A sustentabilidade é cada vez central no mercado de capitais, segundo Isabel Ucha, presidente da Euronext Lisbon. Na nona edição da conferência anual, Via Bolsa, que tem como tema este ano as finanças sustentáveis, a líder da bolsa nacional lembrou que regulares, autoridades e gestores financeiros já estão alinhados com esta prioridade.

“Se todos os investidores — pelo menos os mais importantes, estão a integrar critérios de sustentabilidade, esta vai ser uma importante mudança. Vamos ter de incorporar estes critérios [ambientais, sociais e de bom governo corporativo] nas nossas atividades. Com algum sentido de urgência, diria“, afirmou Isabel Ucha, na abertura da conferência.

“Adicionalmente, há um compromisso das entidades europeias e nacionais”, referiu a presidente da bolsa portuguesa, lembrando que há 260 mil milhões identificados no Green Deal da Comissão Europeia para cumprir objetivos de zero carbono. O montante representa 1,5% do PIB da União Europeia em 2018.

Ucha identificou os vários compromissos da Euronext Lisbon, começando pela promoção das finanças sustentáveis, mas também fazer crescer e acrescentar valor numa altura em que há um “desafio da preservação e dos mercados organizados”.

“É hoje amplamente reconhecido que os objetivos da DMIF e DMIF II ficaram aquém do desejado. Os mercados transparentes e eficientes não são um dado adquirido, têm de ser protegidos”, afirmou. “Queremos que haja mais opções de financiamento ao longo do ciclo de crescimento das empresas”, acrescentou Isabel Ucha.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel Ucha vê “urgência” na incorporação de critérios de sustentabilidade nas finanças

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião