UE não quer interferir no salário mínimo, só assegurar que é justo

  • Lusa
  • 27 Janeiro 2020

A Comissão Europeia não pretende definir valores para o salário mínimo, mas dignificar o trabalho, o que tem como primeira condição um salário justo,

A Comissão Europeia não pretende definir valores para o salário mínimo, mas dignificar o trabalho, o que tem como primeira condição um salário justo, disse esta segunda-feira o comissário do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

“Respeitamos a competência [dos Estados-membros, mas queremos verdadeiramente restaurar a dignidade do trabalho”, disse o comissário luxemburguês num encontro com jornalistas portugueses em Bruxelas.

Para isso, frisou, “é preciso ter plenamente em conta as condições de trabalho” e “a primeira boa condição de trabalho é ter um salário justo”.

“E os tratados permitem-nos isso, tratar das condições de trabalho. Não nos permite definir o nível do salário mínimo, mas permite criar um quadro de adaptação com indicadores e com critérios do que deve ser um salário mínimo justo em relação com o nível de produtividade e com o padrão de vida geral”, explicou.

O comissário reagia a críticas ao anúncio, pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de um processo de consultas com os parceiros sociais europeus sobre um salário mínimo europeu.

Em Portugal, por exemplo, a maioria dos parceiros sociais defendeu que a Comissão não deve interferir na definição do salário mínimo, que é da exclusiva responsabilidade de cada Estado-membro.

Nicolas Schmit salientou, pelo contrário, que Portugal “é um excelente exemplo” porque “o governo está a acompanhar a evolução económica e a adaptar e a aumentar o salário mínimo”.

A Comissão Europeia anunciou 14 de janeiro o lançamento de uma primeira fase de consultas com os parceiros sociais com vista a assegurar que todos os trabalhadores na UE tenham salários mínimos justos, esclarecendo desde logo que a ideia não é uniformizar o salário mínimo na Europa.

“Não vai certamente haver um salário mínimo para toda a Europa”, repetiu esta segunda-feira o comissário.

“O que queremos é que nos países em que é muito baixo – os países nos lugares 1 a 6 da tabela – deve haver um processo para o adaptar mais rapidamente em termos de produtividade, mas também de padrões de vida”, disse.

De acordo com dados publicados em dezembro passado pela Comissão Europeia, as variações entre os salários mínimos praticados na Europa continuam a ser vincadas, oscilando entre os 286 euros na Bulgária e os 2.071 euros no Luxemburgo (valores de 2019), surgindo Portugal na segunda metade da tabela, na 12.ª posição entre os 22 países que praticam um vencimento mínimo.

Os países 1 a 6 que o comissário referiu, onde se praticam os salários mínimos mais baixos, são a Bulgária, Letónia, Lituânia, Roménia, Hungria e Croácia.

O salário mínimo em Portugal aumentou em 01 de janeiro para os 635 euros, face ao valor de 600 euros praticado em 2019, o que, ajustado tendo em conta os 14 meses, equivale a um aumento de 700 para 740 euros, os valores tidos em conta nos cálculos do Eurofund para estabelecer uma comparação entre os Estados-membros.

Seis Estados-membros da UE não têm salário mínimo: Áustria, Chipre, Dinamarca, Finlândia, Itália e Suécia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE não quer interferir no salário mínimo, só assegurar que é justo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião