Alívio das preocupações com coronavírus anima Wall Street. Apple sobe quase 3%

Os principais índices de referência norte-americanos regressaram aos ganhos nesta sessão, com o otimismo face ao vírus oriundo da China. A Apple subiu quase 3% antes de apresentar resultados.

As principais bolsas norte-americanas recuperaram das perdas registadas na última sessão, com as declarações da Organização Mundial da Saúde (OMS) a tranquilizar as preocupações dos investidores face ao impacto do coronavírus na economia mundial e animaram as bolsas. A Apple ajudou também a impulsionar o desempenho dos índices, antes de revelar os resultados.

São mais de 4.000 os infetados com o vírus detetado em Wuhan, que matou mais de 100 pessoas, levou as empresas a fechar operações e restringir as viagens para a China. Ainda assim, o líder da OMS disse que estava confiante na capacidade da China em conter o surto do coronavírus.

O índice de referência S&P 500 fechou a sessão a subir 1,06% para 3.278,15 pontos, acompanhando pelo tecnológico Nasdaq que avançou 1,45% para 9.272,15 pontos. Pelo mesmo caminho seguiu o industrial Dow Jones, que somou 0,71% para 28.738,66 pontos.

A Apple destacou-se nesta sessão, antes de revelar os resultados do primeiro trimestre do ano fiscal. Os títulos da tecnológica liderada por Tim Cook valorizaram 2,83% para os 317,69 dólares. A Tesla, que também irá divulgar os resultados nesta semana, avançou também, 1,59% para os 566,90 dólares.

Por outro lado, a contrariar a tendência, encontra-se a fabricante de motos Harley-Davidson, que caiu 3,01% para os 33,79 dólares, depois de revelar uma queda maior do que o esperado nas receitas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alívio das preocupações com coronavírus anima Wall Street. Apple sobe quase 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião