Gestores de empresas de Isabel dos Santos em Malta demitem-se

  • ECO
  • 29 Janeiro 2020

Sociedades maltesas como a Winterfell e Finisantoro, de Isabel dos Santos, perderam dois administradores. Noel Scicluna e John Carbone demitiram-se na sequência do caso Luanda Leaks.

As ondas de choque causadas pelo Luanda Leaks atingiram as empresas de Isabel dos Santos em Malta. Dois administradores malteses, Noel Scicluna e John Carbone, demitiram-se dos cargos em várias sociedades que a empresária angolana tem naquela jurisdição, avança o Expresso (acesso livre).

Scicluna entregou o seu pedido de renúncia no dia 20 de janeiro no registo comercial de Malta, ou seja, um dia depois da publicação das primeiras notícias em torno do Luanda Leaks, que expôs os esquemas financeiros de Isabel dos Santos e a forma como construiu a sua riqueza.

Antigo deputado em Malta, na década de 1980, Scicluna era administrador em empresas como a Winterfell Industries Limited (que controla a portuguesa Efacec), a Finisantoro (através da qual Isabel dos Santos é acionista do banco EuroBic) e a Athol Limited. As cartas entregues no registo maltês indicam que a demissão das várias empresas tem efeitos a partir de 14 de janeiro. De acordo com o Expresso, Scicluna também apresentou a 18 de janeiro a renúncia na Wise Intelligent Solutions. Foi com esta sociedade que Isabel dos Santos subcontratou várias consultoras para a reestruturação da Sonangol.

Quanto a John Carbone, era administrador em empresas como a Wise e a Finisantoro. Apresentou as suas cartas de demissão no dia 21 de janeiro.

Já na semana passada várias pessoas próximas de Isabel dos Santos anunciaram o seu afastamento da filha do ex-Presidente de Angola. Jorge Brito Pereira deixou cargos no EuroBic e na Nos, onde Isabel dos Santos é acionista, tendo anunciado a suspensão da sua atividade como advogado. Também Mário Leite da Silva e Paula Oliveira deixaram vários cargos na sequência da polémica com o Luanda Leaks, como a Efacec ou o BFA, em Angola. E a auditora PwC também cessou os contratos de serviços a empresas da empresária angolana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gestores de empresas de Isabel dos Santos em Malta demitem-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião