Há um robô a entregar comida a pessoas com o coronavírus

  • ECO
  • 29 Janeiro 2020

Há um robô a ajudar no combate ao coronavírus. Chama-se “Little Peanut” e está a distribuir comida por 200 pessoas infetadas pela epidemia, num hotel em Hangzhou, na China.

Há um novo robô a fazer as delícias dos internautas. Chama-se “Little Peanut” e está a distribuir comida por pessoas em quarentena infetadas pelo coronavírus, num hotel em Hangzhou, na China.

“Olá, eu sou o ‘Little Peanut’ e estou a servir-lhe comida. Bom apetite”. É assim que começa a abordagem do robô, no hotel chinês, que foi partilhada nas redes sociais pela agência de notícias da República Popular da China, a China Xinhua News.

À medida que o robô vai passando pelos quartos, os doentes vão saindo dos quartos para retirar a comida. No final é possível ouvir-se: “Se precisar de mais alguma coisa, contacte o staff do hotel, por favor”.

Neste hotel estão mais de 200 pessoas infetadas e vários rôbos têm sido distribuídos pelos 16 andares do hotel. A ideia passa por reduzir o contacto humano e impedir a propagação do novo coronavírus.

As pessoas contaminadas estão completamente isoladas há cerca de duas semanas e viajaram no mesmo avião de passageiros de Wuhan, cidade onde o coronavírus teve origem.

O número de infetados e de mortos não pára de aumentar. Um novo balanço aponta para 132 mortos na China e 5.974 infetados em todo o mundo. Esta quarta-feira foi detetado o primeiro caso no Médio Oriente, nos Emirados Árabes. Apesar de o coronavírus ainda não ter provocado mortes fora da China, há já vários países em que a doença já se espalhou.

Os infetados podem transmitir a doença durante o período de incubação, que pode demorar entre um dia a duas semanas. Durante aquele período, os infetados não revelam sintomas, o que anula o efeito das medidas de rastreio, como medição de temperatura nos aeroportos ou estações de comboio. Os sintomas incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há um robô a entregar comida a pessoas com o coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião