Preço das casas sobe mais de 20% em Braga, Amadora e Gaia

O preço das casas subiu 7,1% relativamente ao trimestre homólogo a nível nacional. Braga, Amadora e Gaia destacaram-se com as maiores subidas.

Os preços das casas nas cidades limítrofes das grandes áreas metropolitanas comandaram as subidas no terceiro trimestre do ano passado. Braga, Amadora e Vila Nova de Gaia viram os preços dos imóveis acelerar mais de 20% no terceiro trimestre de 2019, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. Lisboa continua a ser a cidade mais cara.

No terceiro trimestre de 2019, o preço mediano das casas atingiu os 1.054 euros por metro quadrado a nível nacional, uma subida de 2,22% face ao trimestre anterior e de 7,1% relativamente ao trimestre homólogo. Apesar de Braga ter registado a maior subida entre as cidades com mais de 100 mil habitantes, de 22,6%, continuou a ser a mais barata, com o preço de 923 euros por metro quadrado.

“Face ao período homólogo, todas as cidades com mais de 100 mil habitantes registaram aumento dos preços. Para além de Braga, verificaram-se variações expressivas na Amadora (+22,1%), Vila Nova de Gaia (+20,3%) e Porto (+18,2%)“, sinaliza o INE.

O Porto já tinha superado o valor médio nacional no segundo trimestre do ano passado, reforçando agora essa posição, com o preço por metro quadrado a ascender a 1.802 euros. Lisboa mantém-se como a cidade mais cara, apresentando o preço mais elevado do país: 3.205 euros/m2. Contudo, olhando para as regiões, é o Algarve que brilha.

Nas regiões que ficaram acima da média nacional, para além do Algarve, onde o preço mediano foi de 1.635 euros por metro quadrado, e da Área Metropolitana de Lisboa, onde foi 1.423 euros, encontram-se também a Região Autónoma da Madeira e a Área Metropolitana do Porto.

Santo António brilha em Lisboa, Foz é a estrela no Porto

Em Lisboa, o preço do metro quadrado é o mais elevado do país, de 3.205 euros/m2, sendo que duas freguesias da capital registaram preços superiores a 4.500 euros. Foram elas Santo António, que inclui a Avenida da Liberdade, e Misericórdia, que abrange o Bairro Alto e o Cais do Sodré. Foi menos uma que no trimestre anterior, já que Santa Maria Maior deixou de estar incluída neste grupo, com o preço a baixar para os 4.451 euros por metro quadrado.

Mais a norte, no Porto, a União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde registou o preço mediano mais elevado, de 2.414 euros/m2. Bonfim também se destacou nas freguesias da Invicta, ao apresentar um preço mediano de 1.839 euros/m2, acima do valor da cidade do Porto e uma taxa de variação homóloga de 39,4%, superior à observada na cidade.

(Notícia atualizada às 11h35)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Preço das casas sobe mais de 20% em Braga, Amadora e Gaia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião