Japão emite nova ordem de detenção para Carlos Ghosn

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2020

Novo mandado de detenção está relacionado com a fuga de Ghosn para Beirute. Japão acusa o antigo presidente da Nissan de violar a lei de controlo migratório por sair ilegalmente do país.

As autoridades japonesas anunciaram um novo mandado de detenção para o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn, que fugiu em dezembro do Japão, onde deveria ser julgado, para o Líbano.

Ghosn, que estava acusado de irregularidades financeiras relacionadas com a gestão da Nissan, fugiu do Japão no passado dia 29 de dezembro, quando se encontrava em liberdade sob fiança, após ter sido detido em novembro de 2018 e libertado ao fim de alguns meses.

O Ministério Público de Tóquio indicou que o novo mandado de detenção está relacionado com a fuga para Beirute e acusa Ghosn de violar a lei de controlo migratório por sair ilegalmente do país. O Líbano não tem acordo de extradição com o Japão.

A nota das autoridades detalha que Ghosn, que tem nacionalidade francesa, libanesa e brasileira, abandonou o Japão antes da meia-noite de 29 de dezembro através do aeroporto internacional de Kansai, em Osaka, num avião privado que foi para a Turquia, tendo o gestor seguido depois para o Líbano.

Ghosn, que também foi presidente do grupo automóvel francês Renault e da empresa japonesa Mitsubishi, não passou por qualquer controlo migratório, já que terá ido escondido numa mala para chegar ao avião que saiu de Osaka.

No Líbano entrou com passaporte francês e um documento de identidade libanês, informaram na altura as autoridades libanesas.

Os procuradores de Tóquio ordenaram também a detenção de três norte-americanos por “conspirarem” para permitir a fuga para o Japão do ex-presidente da Nissan.

Essas três pessoas são identificadas como Michael Taylor, de 59 anos, George Zayek, de 60, segundo os ‘media’ norte-americanos os mais diretamente envolvidos na fuga de Ghosn, bem como Peter Taylor, de 26 anos.

De acordo com o comunicado do Ministério Público, estas três pessoas “contribuíram para a fuga” de Ghosn sabendo que não podia sair do país, o que faz com que sejam alegadamente responsáveis por violar as leis de imigração e “esconder um réu”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Japão emite nova ordem de detenção para Carlos Ghosn

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião