3,5 milhões de euros depois, DeBorla muda para hôma

Lema da nova DeBorla é "Happy Home Living". As 35 lojas serão redecoradas nas próximas semanas.

A DeBorla, cadeia especializada em artigos para o lar, mudou de nome e passa a chamar-se hôma. Acaba de apresentar o rebranding da marca que representa um investimento total de cerca de 3.5 milhões de euros.

“A marca DeBorla foi redesenhada para se tornar mais alegre e competitiva. Vamos redecorar-nos através do logótipo, cores, lojas, fardas e comunicação. “Happy Home Living” é o lema da nossa nova casa. Queremos ser felizes e fazer os nossos clientes ainda mais felizes”, assegura Luís Correia, diretor-geral da hôma.

Este rebranding tem como grande objetivo ajustar a imagem da marca à sua oferta e posicionamento atuais, de forma a refletir a sua evolução. Esta mudança assinala também os 20 anos da marca no mercado nacional como uma das líderes do retalho.

Para Luís Correia esta mudança e investimento simboliza “o crescimento da marca ao longo destes 20 anos no mercado nacional como uma das empresas líderes de retalho, tendo 35 lojas presentes em todo o país. Estes 20 anos significam mudança de imagem, inovação, mas com os preços e qualidade-design de sempre”, refere o diretor-geral da hôma, em comunicado.

As lojas serão redecoradas nas próximas semanas e a nova imagem e posicionamento da marca vão ser comunicados com campanhas outdoor, rádio, folhetos promocionais e nas redes sociais, onde a hôma pretende continuar e intensificar uma aproximação com os clientes.

Em 2020 a hôma perspetiva um volume de negócios total na ordem de 80 milhões de euros. Luís Correia, explica que “a intenção para este ano é continuar a reforçar a presença em território nacional, estando previsto abrir mais três lojas em 2020, sendo a primeira destas em Leiria no final do primeiro trimestre.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

3,5 milhões de euros depois, DeBorla muda para hôma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião