Tajiservi vai mudar de instalações. Investe um milhão de euros

A empresa nortenha Tajiservi vai mudar de instalações para Santo Tirso. A inauguração oficial está marcada para o dia 24 de janeiro e representa um investimento de um milhão de euros.

A Tajiservi, empresa especializada em máquinas de costura e bordados vai mudar-se em janeiro para Santo Tirso. É caso para dizer “ano novo, vida nova”. As novas instalações têm uma área quatro vezes maior em comparação com a atual unidade localizada em Lordelo, Guimarães. Esta aquisição representa um investimento global de um milhão de euros.

“A empresa atual tem apenas 600 metros quadrados. Estamos em crise de espaço há cerca de seis anos e já nessa altura começámos à procura de umas novas instalações, mas só há dois anos é que encontramos o edifício ideal. É uma antiga confeção com 2.700 metros quadrados que está a ser totalmente reformulada de forma a adequar o local às necessidades reais da empresa”, explica Júlia Petiz, CEO da empresa.

Ao mudar de instalações, a Tajiservi vai passar do concelho de Guimarães para o do Porto. Segundo Júlia Petiz, “é uma localização privilegiada tendo em conta a proximidade com os principais clientes”.

As novas instalações têm a particularidade de contar com um grande espaço de armazenamento em altura. “Se no futuro precisarmos de mais espaço temos sempre a possibilidade de fazer armazenamento em altura, até cerca de dez metros”, explica Júlia Petiz.

“Com esta mudança será necessário contratar três colaboradores para a área comercial no próximo ano”, adiantou a CEO da Tajiservi ao ECO. A empresa importadora emprega atualmente 20 colaboradores e faturou cerca de três milhões de euros o ano passado.

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tajiservi vai mudar de instalações. Investe um milhão de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião