Pafil vai abrir fábrica em Famalicão. Pretende contratar 30 colaboradores

A Pafil vai investir dois milhões na construção de uma nova fábrica em Vila Nova de Famalicão. A inauguração está prevista para março. Com esta expansão pretende contratar cerca de 30 colaboradores.

A Pafil Confecções, empresa especializada em vestuário de neve, montanha e proteção individual, está em crescimento. Prova disso é o investimento de dois milhões de euros na construção de numa nova fábrica em Louro, Vila Nova de Famalicão. A inauguração está prevista para o final de março do próximo ano, prevendo contratar 30 colaboradores.

“A mudança de instalações prende-se essencialmente com o crescimento da empresa e com a aquisição de novas máquinas. Nas atuais instalações já não temos margem para expansão e como tal optamos por construir uma unidade de raiz”, destaca Rui Pereira, administrador da empresa.

A atual fábrica localiza-se em Barcelos e conta com 1.800 metros quadrados, que segundo o administrador da Pafil “acaba por limitar a capacidade de produção”. As novas instalações vão contar com quase o triplo do espaço, uma área total de 4.500 metros quadrados.

A Pafil emprega atualmente 75 colaboradores, mas não pretende ficar por aqui. Rui Pereira revela ao ECO que com esta expansão vai ser necessário a contratação de mais 20 a 30 novos funcionários. “O recrutamento será transversal a várias áreas, mas serão necessários mais colaboradores na área comercial e logística”, refere o administrador da empresa. As vagas serão abertas posteriormente à inauguração da nova fábrica.

A empresa que já conta com 31 anos de existência trabalha com clientes de prestigio, entre eles a BMW e a Satisfy, que é uma marca francesa de vestuário de luxo para corrida.

O mercado externo representa 98% das vendas da Pafil, sendo Alemanha, França, Inglaterra, Holanda e Itália os principais mercados da empresa nortenha. A empresa começou recentemente a exportar para os EUA, onde prevê crescer no próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pafil vai abrir fábrica em Famalicão. Pretende contratar 30 colaboradores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião