Minority Denim tinge roupa com folhas de eucalipto, café, casca de cebola e rúbea

A Minority Denim acaba de desenvolver o projeto BioTint. Um sistema de tingimento natural feito à base de desperdícios orgânicos e sem recurso a produtos químicos.

A moda e a sustentabilidade andam, cada vez mais, de mãos dadas. De forma a reduzir o impacto ambiental, Diogo Aguiar, CEO da Minority Denim, desenvolveu um processo capaz de tingir roupa através de desperdícios orgânicos.

Chama-se BioTint e tem como missão utilizar materiais orgânicos como folha de eucalipto, café usado, casca de cebola, rúbea, sementes de árvores e transforma-los em tingimentos naturais para têxteis de várias cores.

“O feedback está a ser incrivelmente positivo, porque isto vai muito mais além da questão da sustentabilidade. São resíduos que à partida não teriam valor acrescentado na economia e nós voltamos a dar uma segunda via a estas matérias-primas no tingimento das peças”, refere ao ECO, Diogo Aguiar, CEO da Minority Denim.

Através deste processo inovador, sem recursos a produtos químicos, a empresa conseguiu obter uma paleta de nove cores para tingimento natural. Rosa, laranja, amarelo são algumas das cores que já estão testadas. Diogo Aguiar adiantou que já estão em desenvolvimento cinco novas cores.

O jovem empreendedor de 34 anos contou ao ECO que o BioTint começou a ser desenvolvido há três anos e está no mercado desde o início deste ano. A Minority Denim foi fundada em 2015, está localizada em Vila Nova de Famalicão, conta com três colaboradores e um laboratório de desenvolvimento na área têxtil.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Minority Denim tinge roupa com folhas de eucalipto, café, casca de cebola e rúbea

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião