Venda de carros arranca o ano com o pé no travão. Caem 8,5% em janeiro

  • ECO
  • 3 Fevereiro 2020

O número de veículos matriculados recuou no primeiro mês do ano, segundo dados da ACAP.

O número de veículos matriculados recuou no arranque do ano. No mês de janeiro de 2020 foram matriculados em Portugal 17.504 automóveis, ou seja, menos 8,5% que no mês homólogo do ano anterior, revelam os dados da Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP).

Desagrado por categorias e tipos de veículos, o número de matrículas de novos automóveis ligeiros de passageiros totalizou os 14.423, o que reflete uma quebra de 8% em janeiro face ao mês homólogo. Já os veículos ligeiros de mercadorias recuaram 11%, situando-se nas 2.595 unidades matriculadas.

Quanto ao mercado de veículos pesados, o qual engloba os tipos de passageiros e de mercadorias, em janeiro de 2020 verificou se uma queda de 7,6% em relação a janeiro de 2018, tendo sido comercializados 486 veículos desta categoria.

Vendas de automóveis em Portugal

Fonte: ACAP

As vendas de automóveis têm caído em Portugal: no total do ano passado foram vendidos no país 267.838 veículos automóveis, uma quebra face ao registado no ano anterior.

O total de vendas de veículos no mercado nacional ficou abaixo da produção do país. O ano de 2019 foi recorde para a produção automóvel nacional, tendo saído das fábricas portuguesas cerca de 346 mil unidades, número que representa um crescimento de 17,4% face a 2018.

A grande maioria dos carros produzidos em solo nacional tiveram, assim, como destino o mercado externo, nomeadamente a Europa. A Alemanha foi a principal cliente, para onde foram 23,3% dos carros, seguindo-se França, que ficou com uma fatia de 15,5%, Itália e Espanha.

(Notícia atualizada às 17h30 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda de carros arranca o ano com o pé no travão. Caem 8,5% em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião