Carros anteriores a 2005 vão ser proibidos de entrar na Baixa de Lisboa

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2020

Relatório da autarquia que prevê a criação da nova Zona de Emissões Reduzidas Avenida Baixa Chiado aponta para limitações a aplicar por fases entre o verão e abril de 2021.

Carros anteriores a 2005 vão ser proibidos de entrar na Baixa de Lisboa a partir de 2021. A proibição já se aplica a veículos anteriores a 2000, mas o objetivo da Câmara Municipal de Lisboa é alargá-la segundo informações que constam no relatório que prevê a criação da nova Zona de Emissões Reduzidas Avenida Baixa Chiado (ZER ABC) a que o Público (acesso livre) teve acesso.

A concretizar-se, esta medida será aplicada por fases. Primeiro, já no verão, passará a ser autorizada apenas a circulação de automóveis que cumpram a norma Euro 3, ou seja com matrícula posterior a 2000, revela o jornal. Depois de abril de 2021, a circulação só será permitida a veículos que cumpram a norma Euro 4, ou seja, com matrícula posterior a 2005.

O mesmo relatório indica que os residentes estão excluídos dessa nova regra, podendo continuar a aceder à Baixa lisboeta com as suas viaturas desde que sejam posteriores a 2000, acrescenta o Público. A autarquia convocou, para a próxima semana, a primeira reunião com os moradores para debater o assunto.

Fernando Medina anunciou, na semana passada, que a circulação rodoviária de parte da Avenida da Liberdade, Baixa e Chiado vai estar limitada aos residentes e transportes públicos já a partir de junho, das 06h30 às 00h00. As Zonas de Emissões Reduzidas de Lisboa implicam uma limitação da circulação de viaturas.

Segundo as declarações do presidente da autarquia a 31 de janeiro, estas alterações têm em vista cumprir “as ambiciosas metas a que Lisboa se propôs”. Na prática, só poderão circular os residentes ou lojistas que tenham um dístico no carro ou pessoas portadoras com cartão de estacionamento de deficientes. No que toca aos residentes, estes poderão receber convidados, num máximo de dez convites por mês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carros anteriores a 2005 vão ser proibidos de entrar na Baixa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião