Crédito para a casa em máximos desde 2008. Foram 10,6 mil milhões no ano passado

Os bancos disponibilizaram 10,6 mil milhões de euros em empréstimos para a aquisição de casa no ano passado. É necessário recuar até 2008 para assistir a um valor superior.

O recurso ao crédito para comprar casa não pára de aumentar em Portugal. No ano passado, foram concedidos mais de 10,6 mil milhões de euros em empréstimos para a compra de casa, o que corresponde a um máximo desde 2008.

Dados divulgados pelo Banco de Portugal, nesta terça-feira, mostram que os bancos disponibilizaram 1.117 milhões de euros em empréstimos para a aquisição de habitação, em dezembro. Trata-se do valor mensal mais elevado desde julho de 2008.

Para além desse marco, o valor registado no último mês do ano passado permite elevar para 10.630 milhões de euros o montante de crédito à habitação disponibilizado na totalidade de 2019. Será necessário recuar 11 anos, também até 2008, para ver um valor anual de concessão de financiamento para a aquisição de casa mais elevado.

Evolução da concessão de crédito à habitação

Fonte: Banco de Portugal

O valor do crédito à habitação concedido na totalidade do ano passado representa um aumento de 8,08% face aos 9.835 milhões de euros que foram disponibilizados em 2018, e que correspondiam a um máximo desde 2010.

O aumento da concessão de crédito para a compra de casa acompanha a maior disponibilidade das famílias para recorrerem ao financiamento bancário perante a melhoria das perspetivas económicas, mas também do ambiente favorável por parte das condições de acesso ao crédito. Os juros estão em mínimos históricos, com as Euribor a assumirem mesmo valores negativos, enquanto os spreads dos empréstimos para a compra de casa também estão cada vez mais baixos.

Crédito ao consumo em máximos de 2005

À semelhança da habitação, as restantes finalidades de crédito às famílias também voltaram a sinalizar novos máximos no ano passado.

No caso do crédito ao consumo, em dezembro, foram disponibilizados 501 milhões de euros, elevando para 5.245 milhões de euros o volume de concessão na totalidade do ano. Esse montante corresponde um aumento de 12,55% face ao verificado em 2018, e é ainda um novo máximo desde 2005.

Nos empréstimos às famílias com outros fins, os 238 milhões de euros disponibilizados em dezembro, permitem elevar para 2.340 milhões de euros o total do ano. Este valor corresponde a uma subida de 28,36% face a 2018 e é ainda a quantia mais alta desde 2014.

Somando todas as finalidades, os bancos concederam 18.216 milhões de euros em empréstimos às famílias no ano passado. Ou seja, 11,65% acima da concessão registada no ano anterior. É também a quantia mais elevada desde 2008.

(Notícia atualizada às 11h37 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito para a casa em máximos desde 2008. Foram 10,6 mil milhões no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião