Lisboa vai ser palco do Mini elétrico para o mundo. Marca traz 4.500 pessoas à capital portuguesa

Capital portuguesa foi a escolhida para a apresentação internacional do modelo elétrico da Mini. Afinidade da cidade com a mobilidade elétrica foi fator decisivo.

19 anos depois do relançamento da marca realizado na capital portuguesa, a Mini volta a eleger Lisboa para ser o palco para o lançamento do seu modelo elétrico. Marca vai trazer, para a apresentação internacional do modelo, mais de 4.500 pessoas de todo o mundo que durante 15 dias vão percorrer a cidade com o novo modelo da fabricante do grupo BMW.

“4.500 pessoas vindas de todo o mundo irão estar presentes na apresentação internacional deste novo modelo” que terá lugar em Lisboa entre 1 de fevereiro e 15 de março. No total, haverá 300 veículos Mini a circular nas estradas da capital durante um evento que projetará a capital portuguesa em todo o mundo.

Lisboa foi a escolhida “devido à sua afinidade com a mobilidade elétrica”, explica a marca. “Dispõe mais de 500 postos de carregamentos públicos e uma das mais densas redes de abastecimento de energia para veículos elétricos”, nota.

“A sua nomeação como a Capital Verde Europeia 2020, pela Comissão Europeia, também influenciou na escolha da cidade”, refere a fabricante de automóveis.

Depois da apresentação, arranca a comercialização deste novo modelo “ideal para a utilização diária nas cidades, com uma bateria de alta tensão específica que garante uma autonomia até 234 quilómetros“, diz a marca. A chegada do novo modelo ao país acontece em março.

A Mini refere que o modelo totalmente elétrico “é rápido no carregamento da bateria de alta tensão”. “O carregador de bateria do novo Mini Electric permite a utilização de pontos de carregamento rápido CC e, utilizando um destes postos, é possível carregar a bateria de alta tensão dos 0 aos 80% da capacidade máxima em apenas 35 minutos”, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa vai ser palco do Mini elétrico para o mundo. Marca traz 4.500 pessoas à capital portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião