Lucros da Navigator caem 25% com “forte queda dos preços de pasta de papel”

"Forte queda dos preços de pasta e redução da procura de pasta e de papel" ditaram quebra de 25% nos lucros da Navigator.

O ano de 2019 não foi favorável à Navigator. O resultado líquido recuou 25,2%, para 168,3 milhões de euros, uma queda explicada com a “forte queda dos preços da pasta de papel e redução da procura de pasta e de papel”, comunicou a empresa à CMVM.

O EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] fixou-se em 372,1 milhões de euros, menos 18,3% face ao ano anterior.

No período, a Navigator registou um volume de negócios estável de 1,68 mil milhões de euros, “com o crescimento dos volumes de venda de pasta e de tissue a atenuar a redução de preços de pasta e volumes de papel”. Mas isto não foi suficiente para evitar a quebra nos lucros da companhia.

Este volume de negócios inclui 1,19 mil milhões de euros de vendas de papel, 165 milhões de vendas de pasta e 161 milhões de vendas de energia e 132 milhões de vendas de tissue. “O volume de negócios de 2019 inclui ainda cerca de 32 milhões de euros de vendas relacionadas com outros negócios”, refere a empresa.

Síntese dos principais indicadores

Fonte: Navigator. Resultados não auditados

A conjuntura desfavorável fica patente no comunicado remetido ao regulador dos mercados. “O ano de 2019 foi marcado pela deterioração das condições de mercado, em particular pela queda dos preços de pasta e pelo enfraquecimento da procura no mercado europeu. A grande criação de stocks, sobretudo na China, no final de 2018 e durante o primeiro semestre de 2019, contribuíram significativamente para a queda dos preços de pasta”, explica a companhia.

A produção de pasta da Navigator caiu 1,8% em 2019, para 1.426 mil toneladas. A produção foi “condicionada pelas grandes paragens de manutenção ocorridas nas fábricas em abril, maio e setembro, pela greve ocorrida em novembro nas fábricas de pasta da Figueira da Foz e de Setúbal, assim como pelo ramp-up do projeto de aumento de capacidade da fábrica da Figueira da Foz, concluído em 2018″, justifica a Navigator.

Na ótica dos custos de produção, a empresa salienta que “a energia mantém-se como principal fator de agravamento, registando uma evolução desfavorável em mais de 23 milhões de euros” face ao período homólogo “devido ao aumento do preço de aquisição de eletricidade e gás natural”. “A instabilidade operativa registada ao longo do ano refletiu-se numa menor quantidade de produção de energia e numa maior quantidade de compra a preços mais elevados, quando comparados com o ano anterior”, prossegue.

Além disso, “verificou-se também um aumento no custo unitário de aquisição de madeira face a 2018″, por causa do aumento do peso da madeira certificada na madeira nacional adquirida no mercado.

A empresa registou ainda um aumento nos custos com os químicos, “com um impacto de mais de dez milhões de euros”, assim como um aumento de 3% nos custos fixos, “não tendo a redução verificada nos gastos com pessoal sido suficiente para compensar a evolução menos favorável nos custos com funcionamento e manutenção”, lê-se na mesma nota.

No plano da dívida, a dívida líquida remunerada aumentou 32,3%, de 683 milhões em 2018 para 715,3 milhões no final de 2019.

(Notícia atualizada pela última vez às 21h10)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Navigator caem 25% com “forte queda dos preços de pasta de papel”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião