Efacec garante que não tem contas congeladas

A empresa frisa que está a trabalhar sem qualquer interferência relacionada com a sua acionista Isabel dos Santos e distancia-se dos problemas que afectam a empresária angolana.

A Efacec distancia-se de Isabel dos Santos e garante que continua a operar normalmente e que as suas contas não foram congeladas, à semelhança do que aconteceu à empresária angolana, por decisão das autoridades judiciais portuguesas, na sequência do processo cível contra Isabel dos Santos em Angola e não do processo-crime que deriva da investigação do Luanda Leaks.

A Efacec e os seus acionistas são entidades distintas. Deste modo, as contas da Efacec não foram congeladas, nem em Portugal, nem em qualquer outro país onde a empresa opera. Qualquer informação que indique o contrário a esta realidade é falsa”, sublinha a empresa numa nota enviada às redações.

“A empresa está a operar a todos os níveis, continuando a desenvolver e a participar em projetos nas áreas da energia, ambiente e mobilidade, mantendo a confiança de centenas de clientes e fornecedores em todo o mundo”, garante a mesma nota.

A filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, detém 66,1% do capital da Efacec que comprou em em 2015, através da sua sociedade Winterfell. Isabel dos Santos pagou 200 milhões de euros aos grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves pela sua posição na empresa, ainda que estes continuem a ser acionistas. No entanto, na sequência das revelações do Luanda Leaks, a empresária decidiu sair do capital da Efacec, uma decisão que também tomou em relação ao Eurobic e cuja operação já foi fechada com os espanhóis do Abanca.

A empresa “lamenta que este tipo de informação, que não é verdadeira e que nada tem que ver com as contas ou as operações da empresa, seja disseminada, causando sérios danos à reputação da marca Efacec, construída ao longo dos seus 72 anos de existência”, escreve a Efacec no mesmo comunicado.

Estes danos de reputação eram um dos receios do Executivo a partir do momento em que Isabel dos Santos pediu ao conselho de administração para iniciar, com efeito imediato, “as diligências necessárias” para concretizar a sua saída da estrutura acionista da Efacec Power Solutions. O ministro da Economia considerou a decisão “um bom passo” para evitar este tipo de danos, e dias mais tarde veio garantir que existem “boas condições” para que seja encontrada uma solução.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Efacec garante que não tem contas congeladas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião