Depois do EuroBic e Efacec, venda da Nos e Galp são “inevitáveis”

Luís Marques Mendes diz que os Luanda Leaks tiveram um impacto maior do que o antecipado. Houve uma "catadupa" de demissões, mas também o "princípio do fim do império de Isabel dos Santos".

Os Luanda Leaks levaram a uma “catadupa de demissões”. Houve renúncias tanto nas empresas que Isabel dos Santos controla, ou tem participações, mas também nas consultoras, auditores e até em escritórios de advogados. Ao mesmo tempo, levou a empresária angolana, suspeita de fazer transferências para uma offshore no Dubai que é sua, a anunciar rapidamente a venda do EuroBic e da Efacec. Marques Mendes alerta que os processos de alienação vão demorar. E antecipa o mesmo fim às posições na Nos e Galp.

No habitual espaço de comentário na SIC, Mendes salientou que as revelações feitas pelo consórcio internacional de jornalistas, do qual fazem parte a SIC e o Expresso, são o “princípio do fim do império de Isabel dos Santos”. Na sua opinião, a filha do ex-presidente de Angola “vai ser erradicada [do país]. Vai desaparecer de lá. A sua vida vai ser fora”. Não é Angola, nem Portugal ou a União Europeia. Futuro “vai passar por Dubai, Singapura ou Rússia”.

Por isso mesmo, e também porque “vai ter de negociar a entrega de bens e ativos com Angola”, Isabel dos Santos foi rápida na decisão de desfazer-se dos ativos que detém. Em Portugal, primeiro anunciou o arranque do processo de venda do EuroBic e, depois, anunciou o mesmo relativamente à Efacec.

“Não haja ilusões! As vendas não vão ser nem rápidas nem fáceis. Isabel dos Santos não vai querer vender ao desbarato”, diz o comentador, antecipando um processo moroso.

“Para além destas decisões mais arriscadas, a prazo é inevitável que saia da Nos e a da Galp. E isso vai ser inevitável por razões de reputação e de justiça, e porque a sua vida vai passar por fora da Europa”, nota.

Teixeira dos Santos salvou o banco

Relativamente ao EuroBic, Marques Mendes defende o seu presidente executivo, Teixeira dos Santos. “Acho que esteve bem. Percebeu que havia um problema” perante as informações reveladas sobre a sua principal acionista, anunciando que deixaria de ter uma relação comercial com a empresária. “O banco poderia ficar encurralado. Isolaram o banco da sua acionista. Salvaram o banco“, diz.

Já sobre a transferência de dinheiro da conta da Sonangol no banco e a transferência feita para o Dubai, Marques Mendes critica a atuação. “Outro ponto mais complicado, que é o que aconteceu há dois anos. Aí a explicação é de que a operação era legítima, estava bem escrutinada. Mas as circunstâncias, mandava a prudência que comunicasse a operação” à Unidade de Informação Financeira – UIF, da Polícia Judiciária, remata.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Depois do EuroBic e Efacec, venda da Nos e Galp são “inevitáveis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião