Isabel dos Santos põe Efacec à venda. Leite da Silva e Brito Pereira saem

Empresária angolana envolvida no caso Luanda Leaks já tinha tomado a mesma decisão em relação ao banco EuroBic. Já foram mandatados assessores para venderem a posição na Efacec.

Isabel dos Santos vai sair do capital da Efacec, no seguimento da investigação do Luanda Leaks, que expôs o alegado desvio de dinheiro da Sonangol pela empresária. A decisão, comunicada pela própria empresa, foi tomada depois de a angolana já ter colocado igualmente à venda a participação no banco EuroBic.

“A engenheira Isabel dos Santos informou o conselho de administração que decidiu sair da estrutura acionista da Efacec Power Solutions, com efeitos definitivos“, anunciou a Efacec, em comunicado.

Para isso, Isabel dos Santos pediu ao conselho de administração para iniciar, com efeito imediato, “as diligências necessárias” para concretizar a sua saída da estrutura acionista da Efacec Power Solutions. O conselho de administração nomeou já assessores para o fazerem.

A filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, tem participações em 22 empresas (com sede ou presença em Portugal), sendo a Efacec uma das quatro maiores (as outras são a Nos, Galp e EuroBic, de onde também está de saída). Entrou no capital da energética em 2015, quando a sua sociedade Winterfell pagou 200 milhões de euros para comprar 66,1% da Efacec aos grupos José de Mello e Têxtil Manuel Gonçalves.

Na sequência desta decisão de sair, Mário Leite da Silva renunciou ao cargo de presidente do conselho de administração e Jorge Brito Pereira renunciou ao cargo de presidente da assembleia geral, com efeito imediato. Leite da Silva, gestor de Isabel dos Santos que já se demitiu também do cargo de presidente do BFA, é arguido no mesmo processo que a empresária. Já o advogado Brito da Cunha saiu tanto do EuroBic como da Nos.

“A comissão executiva continua vinculada a princípios de independência e de uma gestão sã, diligência e boa fé e totalmente focada na concretização do plano de desenvolvimento de negócio para 2020, com atenção aos interesses de todas as suas partes interessadas, incluindo os seus clientes, colaboradores e fornecedores”, garantiu a empresa.

Para os trabalhadores, clientes e fornecedores o conselho de administração da Efacec “reafirma uma palavra de tranquilidade e confiança”, dizendo-se “certo de que, em conjunto, conseguiremos manter e reforçar a posição da Efacec como uma referência nos setores onde atua, retribuindo a confiança de centenas de clientes em todo o mundo”.

(Notícia atualizada às 12h45)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos põe Efacec à venda. Leite da Silva e Brito Pereira saem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião