Luanda Leaks. Estas são as peças do dominó que já caíram

Constituição de arguidos e muitas renúncias. As revelações dos Luanda Leaks sobre o império de Isabel dos Santos já fizeram cair várias peças do dominó.

As revelações dos Luanda Leaks já fizeram cair as primeiras peças do dominó. Da esquerda para a direita: Mário Leite da Silva, Jaime Esteves, Paula Oliveira, Jorge Brito Pereira e Isabel dos Santos.

Um dos primeiros comentários aos Luanda Leaks partiu do líder da consultora PwC, Bob Moritz: avisou que iriam “rolar cabeças” com as revelações acerca do império de Isabel dos Santos e de como a empresária terá enriquecido às custas de Angola. Ora, na reta final de uma semana agitada, as primeiras peças do dominó já começaram a cair.

Isabel dos Santos

A figura central nos Luanda Leaks, acusada de ter lesado o Estado angolano com a ajuda do pai, José Eduardo dos Santos, presidente de Angola por 38 anos, arrecadando para si uma fortuna multimilionária.

Desde que os documentos comprometedores foram expostos nos jornais este domingo, a empresária foi constituída arguida em Angola e prepara-se para sair do capital do EuroBic, alienando os 42,5% que detém no banco liderado por Teixeira dos Santos. Já renunciou aos direitos de voto.

Antes disso, na segunda-feira, o banco já tinha cortado a “relação comercial” com a empresária, afastando-se e deixando de fazer negócios com a sua principal acionista.

Isabel dos Santos nega todas as acusações de irregularidades. Garante estar inocente e ser vítima de um esquema político para a neutralizar. Já disse que vai recorrer aos tribunais para repor o que diz ser “a verdade”.

Mário Leite da Silva

Gestor considerado “braço-direito” de Isabel dos Santos nos negócios suspeitos investigados pela imprensa internacional.

Mário Leite da Silva é outra peça central nos esquemas alegadamente ilícitos usados na construção do império da família Dos Santos. É um dos vários cidadãos portugueses constituídos arguidos em Angola por causa deste caso.

Esta quinta-feira, soube-se que o gestor renunciou ao cargo de presidente do Conselho de Administração do Banco de Fomento Angola (BFA), com efeitos a 22 de janeiro, posição que ocupava desde janeiro de 2017, depois da compra de 2% do banco pela Unitel.

Leite da Silva não justificou a renúncia com os Luanda Leaks. Na carta de demissão, a que o ECO teve acesso, justificou a saída com o facto de a administração da Unitel ter aprovado “formalmente a lista de pessoas a designar para o conselho de administração do BFA para o triénio que agora se inicia”. Por não fazer parte do mesmo, considerou ser “o momento apropriado” para deixar a instituição.

Paula Oliveira

Amiga próxima de Isabel dos Santos, Paula Oliveira é administradora não executiva da operadora Nos e sócia principal da SDO Consulting.

É-lhe atribuído o controlo da sociedade offshore designada Matter Business Solutions no Dubai, para a qual terão sido transferidos mais de 100 milhões de euros da Sonangol em poucos meses, a maioria num só dia de novembro de 2017, depois de Isabel dos Santos ter sido demitida da petrolífera estatal angolana.

Paula Oliveira está na mira da justiça angolana e foi constituída arguida esta quarta-feira, mas mantém-se na administração da operadora da Sonae, tendo sido chamada pelo Comité de Ética da Nos que irá reunir-se na próxima segunda-feira, 27 de janeiro.

Jorge Brito Pereira

Advogado de Isabel dos Santos, é partner da Uría Menéndez, sociedade de advogados de Daniel Proença de Carvalho. Suspeita-se de que tinha controlo sobre uma empresa offshore no Dubai, alegadamente detida por uma amiga de Isabel dos Santos, e para a qual terão sido transferidos em poucos meses quantias milionárias que pertenciam à Sonangol.

Jorge Brito Pereira também era presidente da mesa da assembleia-geral do EuroBic, mas já apresentou a demissão do cargo, como avançou o ECO esta quinta-feira.

É ainda o chairman da Nos, na qual Isabel dos Santos controla uma posição indireta em parceria com a Sonae, não se sabendo se se irá manter na operadora — também vai ser ouvido pelo Comité de Ética da empresa. Nos últimos dias, Jorge Brito Pereira tem evitado responder às questões do ECO.

Brito Pereira garante que nunca controlou o offshore no Dubai, apesar de reconhecer que há uma procuração em seu nome que lhe confere poderes “alargados” na sociedade. Alega que nunca os exerceu e que apenas participou na constituição da sociedade, no âmbito da sua atividade como advogado.

Jaime Esteves

Partner da consultora PwC, liderava o departamento de fiscalidade em Angola, Cabo Verde e Portugal. Ao Observador, anunciou o próprio afastamento, à luz das revelações do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

“Entendi que devia deixar de liderar o departamento e pedi para ser substituído”, afirmou Jaime Esteves, que se manterá como sócio da consultora, confirmou o ECO.

A PwC estava na órbita do universo de Isabel dos Santos há vários anos e é uma das empresas acusadas de ter facilitado os negócios suspeitos da empresária em Angola e Portugal.

Em segundo plano:

  • Vanessa Loureiro e Rui Lopes: Eram administradores não executivos do EuroBic com ligações à acionista Isabel dos Santos. Esta quarta-feira, o banco confirmou a renúncia de ambos, no comunicado em que anuncia que Isabel dos Santos vai vender mais de 40% da empresa.
  • Nuno Ribeiro da Cunha: Não se sabe se há relação com as revelações do Luanda Leaks, mas o gestor privado de Isabel dos Santos no EuroBic, que também possuía a gestão da conta bancária da Sonangol, foi encontrado morto esta quarta-feira, num caso que envolve suspeitas de suicídio ou homicídio. Também tinha sido constituído arguido em Angola.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Luanda Leaks. Estas são as peças do dominó que já caíram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião