“Não houve verdadeiramente progressos” na consolidação estrutural, alerta Nazaré Cabral

A presidente do CFP está na AR a explicar a análise ao OE2020. Nazaré Cabral reconhece excedente mas destaca que a fase mais positiva do ciclo não foi aproveitada para uma consolidação estrutural.

A “estrela” do debate do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) afinal não brilha assim tanto. A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) defendeu esta quinta-feira no Parlamento que embora esteja previsto um excedente de 0,2% do PIB para este ano, os avanços na consolidação orçamental estrutural são praticamente nulos, com o crescimento económico e os juros a desempenharem um papel fundamental para a correção do saldo global.

“Tirando os juros, nestes dois últimos anos, 2019 e 2020, na política orçamental não houve verdadeiramente progressos, aproveitando a melhor a fase mais favorável“, disse aos deputados Nazaré Cabral, acrescentando que há uma “evolução praticamente nula do saldo primário estrutural”.

Este saldo desconta os efeitos do ciclo económico (ou seja, a ajuda que a economia pode dar às contas públicas), as medidas one-off (as que não se repetem) e os encargos com juros da dívida pública.

A presidente da instituição que fiscaliza as contas públicas conclui que o Orçamento “prossegue a trajetória de consolidação orçamental” e trás “boas novidades no comportamento de redução da dívida publica”. No entanto, há “riscos” em torno do Orçamento já que “muito deste progresso se alicerça no comportamento da economia e taxas de juro, fatores que não são controláveis e que dependem de razões externas” onde o panorama é “incerto”.

Na mesma audição, Nazaré Cabral disse que o OE é “o produto ainda de decisões anteriores mais do que de medidas novas”, uma ideia já transmitida no relatório de análise ao OE2020.

Questionada sobre a probabilidade de vir a ser precisa uma injeção no Novo Banco superior à prevista no OE2020, a presidente do CFP admitiu que existe esse “risco”, mas não quis atribuir-lhe uma probabilidade.

Ainda assim afirmou que, se vier a ser preciso uma injeção superior em 800 milhões de euros aos 600 milhões já considerados, o impacto no saldo será “à volta de 0,3 pontos percentuais”. “Temos de estar cientes disto”, afirmou.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não houve verdadeiramente progressos” na consolidação estrutural, alerta Nazaré Cabral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião