BCE decide negócio de Isabel dos Santos no EuroBic

A empresária angolana está a vender a sua participação de 42,5% no EuroBic. Quem quiser comprar esta posição qualificada terá de superar o teste de "idoneidade" do supervisor europeu.

Caberá ao Banco Central Europeu (BCE) a decisão final de aprovar ou não o comprador da participação que Isabel dos Santos está a vender no EuroBic. Para entrar no capital do banco que está no epicentro do terremoto provocado pelo Luanda Leaks com uma posição qualificada, o próximo acionista do EuroBic terá de passar na avaliação do supervisor europeu. Processo pode demorar mais de três meses.

Face à pressão exercida pelo Luanda Leaks, a empresária angolana decidiu sair da estrutura acionista do EuroBic. Isabel dos Santos está a vender a sua participação de 42,5% na instituição liderada por Fernando Teixeira dos Santos. O negócio já está em andamento, devendo ficar concluído “brevemente”. A própria assegurou que há interessados. Seja quem for o comprador, terá de passar primeiro no exame do BCE.

De acordo com as regras, o supervisor europeu “é responsável por aprovar as propostas de aquisições de participações qualificadas para todos os bancos nos países participantes” do Eurosistema, diz a instituição no seu site (conteúdo em inglês). Por participação qualifica entende-se uma participação direta ou indireta num banco que represente 10% ou mais das ações e/ou direitos de votos nesse banco ou ultrapasse qualquer limite relevante (20%, 30% ou 50%). Este processo de aprovação tanto vale para os bancos maiores — que estão sob a supervisão direta do BCE — como para os bancos mais pequenos — supervisionados pelos bancos centrais nacionais.

Com este procedimento, o supervisor liderado por Christine Lagarde quer garantir que apenas acionistas adequados e idóneos entrem no sistema bancário da Zona Euro, “evitando-se interrupções no bom funcionamento do sistema”.

Embora a decisão final seja do BCE, o supervisor nacional também está envolvido no processo. Neste caso, Carlos Costa terá de ser notificado pelo investidor sobre a participação qualificada que comprará a Isabel dos Santos no EuroBic.

Após a notificação, o Banco de Portugal dá início a uma avaliação do potencial comprador e prepara um projeto de proposta para o BCE. De seguida, em cooperação com o supervisor nacional, o BCE conduz sua própria avaliação, notificando depois o comprador e supervisor nacional sobre o resultado do seu exame. Esta avaliação não pode demorar mais de 60 dias úteis, embora o processo possa estender-se por mais 20 ou 30 dias se for preciso informação adicional.

Esta avaliação terá em conta cinco critérios:

  • Reputação do comprador
  • Reputação e experiência dos novos gestores
  • Solidez financeira do comprador
  • Impacto no banco
  • Riscos associados a ligações a branqueamento de capitais ou financiamento de terrorismo

Se o comprador “chumbar” na avaliação do BCE, poderá sempre recorrer da decisão para o Administrative Board of Review do BCE. Se o resultado deste recurso não for favorável, o potencial comprador pode ainda apresentar um recurso no Tribunal de Justiça da União Europeia.

Por outro lado, se houver mais do que um comprador, o procedimento junto do supervisor é semelhante. Não caberá ao BCE expressar uma preferência, apenas avaliar se preenchem os requisitos. Se as propostas em cima da mesa passarem no exame, a decisão final sobre quem vai adquirir o banco está do lado dos proprietários do banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE decide negócio de Isabel dos Santos no EuroBic

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião