EuroBic, o banco de Isabel dos Santos que saltou para olho do furacão do Luanda Leaks

Liderado pelo ex-ministro Teixeira dos Santos, o EuroBic é um dos maiores bancos em Portugal. Foi a instituição que ficou com o BPN, em 2012 e ainda lutou no tribunal com BiG por causa da marca.

Teixeira dos Santos lidera o EuroBic desde 2016.Paula Nunes / ECO

O EuroBic tem pouco mais do que uma década de existência em Portugal, mas já é um dos maiores bancos a operar no país. Descendente direto do Bic angolano, ganhou escala com o BPN, suportado numa acionista que foi reforçando a sua posição, Isabel dos Santos, acabando por colocar o banco liderado por Teixeira dos Santos no olho do furacão provocado pelo Luanda Leaks.

O banco português (com origem no Bic Angola) foi constituído em janeiro de 2008, há precisamente 12 anos, resultando de uma parceria entre o empresário Américo Amorim, Fernando Teles e a própria Isabel dos Santos. Mas, em 2014, Américo Amorim decidiu vender a sua posição de 25% aos dois parceiros, deixando a estrutura acionista do banco que passou a ser detido por capital maioritariamente angolano.

Três anos antes da saída de Amorim do capital da instituição, o então designado Bic, na altura liderado por Mira Amaral, comprou o BPN, nacionalizado durante a crise, por uma soma de 40 milhões de euros. Estávamos em agosto de 2011.

A aquisição do banco nacionalizado em 2008 representou um salto naquilo que era a expressão do Bic em Portugal. Com esta aquisição, o banco passou a contar com cerca de 200 agências, detendo também 11 gabinetes de empresas e uma direção de banca privada. Hoje em dia, o banco dispõe de uma rede de 173 balcões e emprega 1.447 trabalhadores.

De lá para cá muito mudou na instituição que, aos poucos, foi conquistando o seu lugar no setor financeiro nacional, tornando-se num dos 10 maiores bancos a operar em Portugal no espaço de pouco mais de uma década. Parte do processo foi executado por Mira Amaral, mas desde maio de 2016 é Teixeira dos Santos — agora em fim de mandato — que tem a seu cargo a liderança executiva.

No ano seguinte à tomada de posse como CEO do antigo ministro das Finanças de Sócrates, em 2017, o Bic foi obrigado pelo tribunal mudar de nome por causa de um litígio com outro banco de nome semelhante: o BiG. Passou a chamar-se EuroBic, uma nova designação que nem assim acabou com a disputa com o BiG.

Mesmo com a mudança de nome, o negócio prosseguiu. A carteira de crédito ascende a quase 5.000 milhões de euros. Por outro lado, estão depositados na instituição mais de 5.700 milhões de euros. Obteve em 2018 o melhor resultado da sua história: lucrou 42,5 milhões de euros. E tudo aponta para que 2019 os lucros tenham sido maiores: até setembro, o EuroBic ganhava 42,9 milhões.

Estrutura acionista do EuroBic

EuroBic

Corte de relações com a principal acionista

No plano comercial, o EuroBic tem conseguido resultados. Mas as suas operações têm estado sob escrutínio do supervisor do sistema financeiro, o Banco de Portugal. Houve uma inspeção em 2015 e, agora, volta a haver outra agora.

Carlos Costa tem em curso uma inspeção junto do banco para averiguar eventuais falhas no mecanismo de controlo de branqueamento de capitais. Esta diligência foi desencadeada em dezembro do ano passado, depois das sucessivas denúncias de Ana Gomes no Twitter. A ex-eurodeputada acusou o EuroBic de ser o banco onde Isabel dos Santos “lava que se farta”.

É uma inspeção semelhante à que o supervisor realizou em 2015 e visou apurar a operação que Isabel dos Santos montou para a compra da Efacec, adquirido nesse mesmo ano. Neste caso, o EuroBic ajudou Isabel dos Santos com financiamento — embora outros bancos portugueses também tivessem participado em sindicatos bancários que financiaram a aquisição da Efacec.

Agora, perante o terramoto provocado pelo Luanda Leaks, investigação do consórcio de jornalistas, do qual faz parte o Expresso e a SIC, que revelou transferências de 58 milhões de euros de contas da petrolífera estatal no EuroBic para a offshore de Isabel dos Santos no Dubai, a Matter Business Solutions, o supervisor já pediu mais informações. Ao mesmo tempo, o EuroBic cortou relações comerciais com a empresária angolana, sua principal acionista.

Poder de Isabel dos Santos mantém-se?

O EuroBic é controlado em 42,5% por Isabel dos Santos, através da Santoro e Finisantoro. Esta participação da filha do ex-presidente de Angola está, agora, a ser questionada pelo Banco de Portugal face às recentes questões levantadas pelo Luanda Leaks.

O restante capital está repartido da seguinte forma: o luso-angolano Fernando Teles detém 37,5% do capital, incluindo a participação de 17,5% da sua sociedade Telesgest; existem ainda três acionistas com 5% do capital: Luís Cortez dos Santos, Manuel Pinheiro Fernandes (grupo Martal) e Sebastião Lavrador (ex- governador do Banco Nacional de Angola); e há outros 5% dispersos por vários acionistas.

A SIC adiantou que o Banco de Portugal estará a forçar a saída da empresária angolana da estrutura acionista do banco. Há desconforto em relação à presença de Isabel dos Santos no capital do EuroBic.

Se o Banco de Portugal considerar que a filha do ex-presidente de Angola deixou de preencher os requisitos de idoneidade enquanto acionista, poderá inibir o exercício dos direitos de voto de Isabel dos Santos no banco.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EuroBic, o banco de Isabel dos Santos que saltou para olho do furacão do Luanda Leaks

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião