Banco de Portugal abre inspeção ao EuroBic

O Banco de Portugal iniciou em dezembro uma inspeção ao EuroBic para avaliar os mecanismos de controlo de branqueamento de capitais. Inspeção teve início antes do arresto a Isabel dos Santos.

O Banco de Portugal (BdP) iniciou uma inspeção ao banco EuroBic que incide sobre os mecanismos de controlo do branqueamento de capitais, revelou o jornalista Pedro Santos Guerreiro, na rubrica Primeira Mão na TVI24.

Ao que o ECO apurou, esta inspeção teve início em dezembro de 2019 e surgiu depois uma outra inspeção ao então Banco Bic, em 2015, que resultou numa série de medidas a implementar pelo banco do qual a empresária angolana é uma das principais acionistas. Desta forma, o supervisor pretende verificar se as mesmas chegaram a ser implementadas pelo banco.

Esta inspeção foi, por isso, decidida antes de um tribunal angolano ter decidido o arresto de contas e participações de Isabel dos Santos em várias empresas, decorrendo, por isso, em paralelo com a mesma.

Contactado pelo ECO, o banco central liderado por Carlos Costa não quis fazer comentários. No entanto, segundo a TVI24, a entidade considera que a inspeção ao EuroBic é “normal” e que se enquadra no olhar atento que o supervisor mantém sobre os bancos angolanos com presença em Portugal. Já o EuroBic não respondeu às perguntas do ECO a tempo de publicação desta notícia.

Estas informações surgem numa altura em que Isabel dos Santos, que detém 42,5% do EuroBic, está novamente nas notícias por suspeitas de que lesou o Estado angolano quando o pai, José Eduardo dos Santos, era Presidente da República de Angola. A empresária, que também é acionista da Efacec e da Nos em Portugal, tem usado as redes sociais para se defender, negando quaisquer acusações de práticas irregulares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal abre inspeção ao EuroBic

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião