Isabel dos Santos defende-se: “Transações foram aprovadas por advogados, bancos, auditores e reguladores”

  • ECO
  • 23 Janeiro 2020

Empresária angolana considera que as acusações contra ela são "extremamente enganosas" e "falsas" e diz que vai clarificar tudo. Para já defende-se dizendo que as operações foram aprovadas por todos.

Isabel dos Santos voltou a negar as acusações de corrupção, lembrando que todas as suas transações comerciais foram aprovadas por todos: advogados, bancos, auditores e até reguladores. É a primeira reação da empresária angolana após sido constituída arguida em Angola.

“As alegações que foram feitas contra mim nos últimos dias são extremamente enganosas e falsas. Vamos procurar clarificar a nossa posição em relação às últimas acusações”, frisou Isabel dos Santos em comunicado citado pela agência Reuters.

“Sempre trabalhei dentro da lei e todas as minhas transações comerciais foram aprovadas por advogados, bancos, auditores e reguladores“, disse a filha do ex-Presidente angolano em sua defesa.

"Sempre trabalhei dentro da lei e todas as minhas transações comerciais foram aprovadas por advogados, bancos, auditores e reguladores.”

Isabel dos Santos

Comunicado

Isabel dos Santos foi constituída arguida esta quarta-feira em Angola, por alegada má gestão e desvio de fundos durante a passagem pela petrolífera estatal Sonangol.

A Procuradoria-Geral de Angolana adiantou que o processo de inquérito aberto na sequência de uma denúncia do presidente do conselho de administração da petrolífera, Carlos Saturnino, já foi transformado em processo-crime e algumas pessoas foram constituídas arguidas, para além da própria empresária: Sarju Raikundalia, ex-administrador financeiro da Sonangol; Mário Leite da Silva, gestor de Isabel dos Santos e presidente do Conselho de Administração do BFA; Paula Oliveira, amiga de Isabel dos Santos e administradora da Nos, e Nuno Ribeiro da Cunha.

Isabel dos Santos tem estado sob fogo nos últimos dias, depois de o caso Luanda Leaks, que resultou de uma investigação de um consórcio de jornalistas internacional, ter exposto os esquemas financeiros da empresária angolana em Portugal e que terão permitido o desvio de dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos defende-se: “Transações foram aprovadas por advogados, bancos, auditores e reguladores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião