Fundos de pensões geriram 21,8 mil milhões em 2019

  • Lusa
  • 11 Fevereiro 2020

Os fundos de pensões geriram 21,8 mil milhões de euros em 2019, um crescimento de 12,1% face ao ano anterior, revelou o regulador do setor.

O montante gerido pelos fundos de pensões ultrapassou os 21,8 mil milhões de euros em 2019, um aumento superior em 12,1% face a 2018, divulgou a Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

De acordo com um comunicado da entidade presidida por Margarida Corrêa de Aguiar, que diz respeito a valores provisórios relativos a 2019, os 21,8 mil milhões de euros superam em 12,8% os 19,4 mil milhões de euros registados em 2018.

A ASF assinala também que em 2019 “extinguiram-se quatro fundos de pensões (três fechados e um PPR [plano poupança reforma]”, mas também se constituíram “três fundos de pensões abertos e quatro fundos de pensões PPR”, algo traduzido num aumento de três fundos de pensões sob gestão da ASF face a 2018.

As cinco entidades que mais volume agregaram, concentrando cerca de 80% do volume total de montantes geridos, foram a Ageas SGFP, a CGD [Caixa Geral de Depósitos] Pensões, o BPI Vida e Pensões, o GNB SGFP e a Sociedade Gestora do Banco de Portugal.

Já “no ranking dos fundos de pensões, os 25 maiores fundos representam cerca de 85% do total dos montantes geridos, continuando a destacar-se os fundos de pensões do setor bancário”, enfatiza ainda a ASF.

Nesta classificação, a liderança pertence ao fundo do grupo BCP, seguindo-se o Pessoal da Caixa Geral de Depósitos, o Banco de Portugal – Benefício Definido, o Novo Banco e o banco BPI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos de pensões geriram 21,8 mil milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião