BE leva travão a comissões da banca ao parlamento no final do mês

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2020

A 27 de fevereiro vai a discussão na Assembleia da República um conjunto de projetos de lei do Bloco de Esquerda que visam impedir o aumento de comissões no sistema financeiro.

O BE agendou para dia 27 de fevereiro a discussão na Assembleia da República de um conjunto de projetos de lei com o objetivo de impedir o aumento de comissões no sistema financeiro.

Em declarações aos jornalistas no final da Conferência de Líderes desta quarta-feira, a porta-voz Maria da Luz Rosinha deu conta deste agendamento potestativo do BE de quatro projetos de lei e da restante agenda do plenário até dia 13 de março, como o debate do projeto de lei do PS sobre autodeterminação sexual de menores, em 28 de fevereiro.

À saída da reunião, o líder da bancada parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, afirmou que, “da parte do sistema financeiro, há um aumento de custos relativos às atividades comuns do sistema financeiro, desde MB Way a transações várias, a levantamentos”, que “tem sido acompanhada por um crescendo de taxas, taxinhas e um conjunto pagamentos que oneram em demasia as pessoas”.

“O Bloco de Esquerda considera que é tempo de a Assembleia da República tomar uma posição sobre essa matéria e por isso desafiamos os restantes partidos que no dia 27, num agendamento feito por nós mas aberto à participação de todos, possa haver uma tomada de posição da Assembleia da República dando indicações em lei para impedir este aumento das comissões do sistema financeiro”, desafiou.

Já no dia 28, para além da iniciativa socialista sobre a autodeterminação sexual de menores, estará ainda em discussão um projeto de lei do PCP sobre penhoras de habitação.

Na mesma sessão plenária estarão em debate projetos de resolução do PSD sobre a venda anunciada pela EDP de seis barragens nos Distritos de Bragança e Vila Real, do BE sobre imposição de normas anti abuso nos concursos públicos promovidos para contratação de empresas de segurança, limpeza e outros serviços e do CDS sobre formação profissional.

Para 04 de março está marcado o debate quinzenal com o primeiro-ministro e para o dia seguinte agendamentos do Governo sobre transições de diretivas europeias.

Já em 06 de março, para além de outras iniciativas, estará em discussão a apreciação parlamentar do PSD sobre o novo regime das Parcerias Público-Privadas e o projeto de lei do PCP que pretende criar um regime excecional para o Serviço Nacional de Saúde no âmbito da lei dos compromissos e dos pagamentos em atrasos.

Em 11 de março decorrerá um debate conjunto, a pedido da Comissão de Assuntos Europeus, e que conta com a presença do Governo, sobre as prioridades da Presidência do Conselho da União Europeia e a participação de Portugal na cooperação estruturada permanente.

Em 12 de março haverá uma interpelação ao Governo do BE (ainda sem tema) e no dia seguinte, entre outras iniciativas, um projeto de lei do PAN sobre restrições aos voos noturnos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE leva travão a comissões da banca ao parlamento no final do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião