Liberty com despedimentos e fecho de escritórios em Portugal

  • ECO Seguros
  • 12 Fevereiro 2020

A seguradora americana anunciou que vai reduzir a dois os 16 escritórios que tem no país e cerca de 100 trabalhadores farão parte da reestruturação, dos quais 25 estão em processo de despedimento.

A Liberty Seguros vai passar por uma forte reestruturação em Portugal. Vai fechar 14 escritórios, ficando abertos apenas os de Lisboa e Porto, mas também reduzir o número de o número de colabores, com a saída de pelo menos 25, revelou o Sinapsa – Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins, após uma reunião entre sindicatos e a Liberty sob a mediação do Ministério do Trabalho.

Fonte da Liberty afirmou a ECOseguros:

“Esta decisão não irá implicar necessariamente a rescisão de contratos de trabalho, pois vamos procurar fornecer uma série de alternativas disponíveis para os colaboradores que possam ser impactados por estas mudanças”;

“A grande maioria dos Responsáveis e Gestores de Zona irá começar a desenvolver as suas atividades no modelo de teletrabalho, o que lhes permitirá dedicar mais tempo à aquisição de negócios e à monitorização de clientes e parceiros existentes”;

“Os Assistentes de Zona poderão ser realocados para os escritórios centrais em Lisboa ou no Porto, onde serão centralizados todos os serviços administrativos associados à área de distribuição intermediária”.

A mesma fonte da empresa afirmou ainda estar a decorrer “um período de consulta e é importante que a equipa potencialmente impactada seja a nossa prioridade neste momento”, conlcuindo que o objetivo é que “esta mudança afete o mínimo possível de colaboradores”.

A seguradora conseguiu 296 milhões de euros de prémios emitidos em 2019, o que significa uma quebra de produção de 7,5% face a 2018. Ainda assim, detém 2,4% de quota de mercado total português.

Quase metade da sua produção é obtida no ramo automóvel onde detém uma quota de 7,7% do mercado e é a sexta maior seguradora a atuar em Portugal. Também em acidentes de trabalho tem expressão relevante com 5,6% do mercado. Tem negócio reduzido no ramo Vida, com apenas 0,3% do mercado.

A companhia americana, que em 2017 tinha passado a sua sede para Espanha, numa fusão ibérica que juntou a Irlanda, está em Portugal desde 2003 quando adquiriu a seguradora Europeia ao Crédit Suisse.

(Notícia atualizada às 17:46)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberty com despedimentos e fecho de escritórios em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião