BEI financia investimentos de 463 mil milhões na UE. Portugal é um dos beneficiários

  • Lusa
  • 14 Fevereiro 2020

Portugal é, atualmente, o terceiro Estado-membro da UE que mais beneficia deste financiamento e com mais investimento gerado ao abrigo deste apoio comunitário, logo a seguir à Grécia e à Estónia.

O Banco Europeu de Investimento (BEI) vai financiar com 84,6 mil milhões de euros investimentos na União Europeia (UE), que deverão mobilizar um total de 463 mil milhões, sendo Portugal um dos principais países beneficiários, anunciou esta sexta-feira Bruxelas.

Em comunicado, a Comissão Europeia explica que, “após a reunião do Conselho de Administração do BEI, o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos do Plano de Investimentos para a Europa deverá agora gerar 463 mil milhões de euros em investimentos adicionais na UE”, tendo em conta as contas de Bruxelas.

Em causa estão as “operações [agora] aprovadas no âmbito do Plano de Investimentos para a Europa, que representam 84,6 mil milhões de euros em financiamento” do BEI, acrescenta o executivo comunitário. Ao todo, a Comissão Europeia estima que 1,1 milhões de startups e pequenas e médias empresas beneficiem deste financiamento agora aprovado.

Portugal é, atualmente, o terceiro Estado-membro da UE que mais beneficia deste financiamento e com mais investimento gerado ao abrigo deste apoio comunitário, logo a seguir à Grécia e à Estónia.

Dados publicados no site da Comissão Europeia referem que, ao todo, o país já recebeu 2,7 mil milhões de euros em financiamento do BEI ao abrigo deste plano criado em 2015. Por sua vez, este financiamento já gerou 10 mil milhões de euros em investimentos em Portugal, montante que tem em conta o apoio do BEI e o dinheiro aplicado pelos promotores dos projetos (privados ou públicos).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BEI financia investimentos de 463 mil milhões na UE. Portugal é um dos beneficiários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião