Quatro meses depois das legislativas, Chega dispara nas intenções de voto e PS cai

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2020

Se as eleições fossem agora, a representação parlamentar do Chega -- que tem hoje um deputado único -- seria maior e o partido seria o quinto mais votado, ultrapassando o CDS e o PAN.

O Chega disparou nas intenções de voto dos eleitores, quatro meses depois das eleições legislativas. A sondagem realizada pelo ISCTE e ICS para o Expresso e para a SIC indica que o partido liderado por André Ventura teria 6% dos votos, ou seja, mais 4,7 pontos face às legislativas de outubro.

Se as eleições fossem agora, a representação parlamentar do Chega — que tem hoje um deputado único — seria maior e o partido seria o quinto mais votado, ultrapassando o CDS e o PAN, que teriam 4% e 3% respetivamente. Em ambos os casos, as intenções mantiveram-se inalteradas. Acima ficariam, ainda assim, a CDU, que subiu 2 pontos percentuais para 8%, bem como o BE que desceu 1 ponto percentual para 9%.

O PS de António Costa venceria igualmente as eleições legislativas, mas com menor margem: menos 3 pontos percentuais para 33%. Já o PSD de Rui Rio manteve a posição, com os mesmo 28% das intenções de voto, segundo a sondagem citada pelo Expresso (acesso pago).

Comentários ({{ total }})

Quatro meses depois das legislativas, Chega dispara nas intenções de voto e PS cai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião