FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano devido ao coronavírus

  • Lusa
  • 16 Fevereiro 2020

Com a propagação do novo coronavírus, a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial poderá descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) admitiu este domingo que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus.

“Por enquanto, a nossa previsão é de 3,3% e pode haver uma redução de 0,1 ou 0,2 pontos percentuais”, disse Kristalina Georgieva durante uma intervenção no Fórum Global das Mulheres, que decorre no Dubai. “Este é um caso especial e peço a todos que não tirem conclusões precipitadas”, acrescentou a responsável, notando que “há muita incerteza e estes são cenários, não são projeções” do FMI.

Para Kristalina Georgieva, ainda é “muito cedo” para se conseguir estimar com alguma precisão o impacto da propagação do coronavírus Covid-19, mas deverá ter consequências mais profundas nos setores do turismo e do transporte.

“Não conhecemos a natureza exata deste vírus, não sabemos a que velocidade a China será capaz de contê-lo e se ele se espalhará mais pelo mundo, o que sabemos é que afetará as cadeias de valor globais“, acrescentou a diretora-geral do FMI.

Na quarta-feira, Georgieva já tinha dito à estação televisiva CNBC que o cenário mais provável passava por uma forte queda da atividade económica na China, seguida de uma rápida recuperação, tal como aconteceu durante a crise do SARS (vírus da síndrome respiratória aguda grave, responsável pela doença conhecida como gripe das aves), que matou quase 300 pessoas em 2002 e 2003.

Se a China conseguir conter a epidemia, “poderá haver uma pequena queda e uma recuperação muito rápida”, reiterou este domingo, lembrando que o peso da China na economia mundial aumentou, desde então, “de 8% para 19% hoje”.

Quanto ao crescimento do país, já estava a abrandar naturalmente, disse Georgieva, sublinhando, no entanto, que “o abrandamento das tensões comerciais” entre Washington e Pequim, com a assinatura em janeiro de um acordo comercial preliminar, tinha permitido ao FMI prever uma melhoria na sua projeção de crescimento para este ano.

O FMI tinha revelado as suas mais recentes previsões para a economia mundial em 20 de janeiro, esperando uma recuperação de 3,3%, acima dos 2,9% registados em 2019, devido, em particular, a uma pausa na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, mas o relatório ressalvava que a recuperação era ainda frágil e que a incerteza poderia abrandar a recuperação.

O Fórum Global da Mulher decorre este domingo no Dubai com a participação de muitas personalidades, incluindo Ivanka Trump, filha e conselheira do Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e a ex-primeira-ministra britânica Theresa May.

O número de mortes na China causadas pelo coronavírus subiu para 1.665, depois de a Comissão Nacional de Saúde daquele país ter anunciado este domingo mais 142 casos fatais nas últimas 24 horas. Já o número de infetados na China continental (que exclui Macau e Hong Kong) é agora de 68.500, verificando-se um aumento de 2.009 casos nas últimas 24 horas.

Com estes números, o total de mortes a nível mundial é de 1.669. Além dos 1.665 mortos na China continental, há a registar um morto na região especial administrativa chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas. Em Portugal, surgiram até agora sete situações suspeitas, mas nenhum caso se confirmou. Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), há 44 casos confirmados na União Europeia e no Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano devido ao coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião