Brisa lucra mais de 200 milhões. Portagens crescem 5%

A Brisa Concessão Rodoviária lucrou mais de 200 milhões de euros no ano passado, fruto de um aumento da circulação nas autoestradas portuguesas que puxou pelas receitas com portagens.

A Brisa Concessão Rodoviária lucrou 204,5 milhões de euros em 2019, um crescimento de 22,6% do resultado líquido face ao ano anterior. Esta evolução é explicada pelo aumento das receitas de portagem e das áreas de serviço e por uma redução dos custos financeiros, revelou a empresa numa nota enviada à CMVM.

No ano passado, as receita com portagens nas concessões controladas pela empresa subiram 5,1%, para 622,9 milhões de euros, num contexto de aumento de 3,7% da circulação nas autoestradas e de aumento de 1% nos preços. No que toca às áreas de serviço, foi registado um crescimento de 39,6% das receitas, “beneficiando da recente negociação de contratos”.

Desta feita, os proveitos totais da Brisa Concessão Rodoviária (BCR) em 2019 aumentaram 6,1% no global, fixando-se em 653,8 milhões de euros, impulsionando em 7,9% o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), para os 519,9 milhões de euros.

Os custos operacionais caíram 0,3% no período, para 133,9 milhões de euros, ainda que os custos com pessoal tenham crescido 6,1%, para 1,7 milhões de euros. No final de 2019, a empresa empregava 10 colaboradores.

Além desta melhoria nas despesas operacionais, a empresa registou uma redução de 8,9% nos custos financeiros, para 60,6 milhões de euros: “Os custos financeiros registaram uma evolução muito positiva […] essencialmente explicada pelo decréscimo dos encargos financeiros que deixaram de ser suportados pela BCR na sequência do reembolso, em abril de 2018, de um empréstimo obrigacionista de 300 milhões de euros”, explica a empresa.

A 31 de dezembro de 2019, a BCR registavam uma dívida líquida nominal de 1.742 milhões de euros. Encolheu 5,5% face ao mesmo período de 2018.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h00)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brisa lucra mais de 200 milhões. Portagens crescem 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião