Portugal obtém 1.250 milhões com juros mais negativos

O Tesouro português foi esta quarta-feira aos mercados financiar-se em 1.250 milhões de euros. E os juros, que estão em terreno negativo, voltaram a cair ainda mais.

Portugal foi esta quarta-feira aos mercados para se financiar em 1.250 milhões de euros em títulos de dívida de curto prazo. E os juros, que se têm fixado em terreno negativo nas últimas operações de financiamento da República, voltaram a cair ainda mais no leilão desta manhã.

O IGCP, entidade pública responsável pelo financiamento do Governo, obteve 300 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a três meses com uma taxa de -0,50%. Compara com a taxa de -0,475% observada numa leilão semelhante realizada em outubro do ano passado.

no leilão de bilhetes com maturidade de 11 meses, foram levantados 950 milhões de euros a um juro de -0,484%. É também uma taxa menos negativa do que se registou na operação de outubro (-0,45%).

Em ambos os casos, a procura dos investidores manteve-se robusta, apesar de se ter verificado um ligeiro enfraquecimento face ao último leilão comparável. No caso dos bilhetes a três meses, os investidores queriam 1.047 milhões de euros, mas só foram emitidos 300 milhões (a procura foi 3,49 vezes superior à oferta). Nos títulos a 11 meses a procura ficou 1,47 vezes acima do montante emitido pelo IGCP.

Juros voltam a cair

Fonte: IGCP

No total, a agência liderada por Cristina Casalinho obteve 1.250 milhões de euros em dívida de curto prazo, o montante máximo previsto para esta operação.

Portugal continua a beneficiar do atual ambiente de juros baixos na Zona Euro, com os investidores a não se importarem de “pagar” para emprestar dinheiro ao país. Esta situação decorre do facto de o Banco Central Europeu (BCE) estar a promover políticas ultra expansionistas para animar a economia da região, razão pela qual te mantido as suas taxas em mínimos históricos.

“O crescimento mais anémico que temos presenciado pelo mundo, aliado de um novo risco, o coronavírus, não tem permitido uma mudança de discurso por parte dos bancos centrais, o que faz com que as políticas acomodatícias que estão implementadas para já permaneçam. O vislumbre de uma subida de taxas para já é distante e como tal a procura por yield continua”, comentou Filipe Silva, do Banco Carregosa. “Portugal, apesar de já emitir regularmente em leilões de curto prazo com taxas negativas, ainda o faz com um custo inferior a outras geografias, por isso continua a ser atrativo para os investidores que necessitam de ter investimentos em instrumentos de dívida de curto prazo”, explicou ainda.

(Notícia atualizada às 11h00 com comentário de Filipe Silva, do Banco Carregosa)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal obtém 1.250 milhões com juros mais negativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião