Lucro da EDP Renováveis sobe 52% para 475 milhões em 2019. Dividendo volta a subir

A energética viu o resultado líquido aumentar 52%, enquanto as receitas aumentaram 7%. E, tal como em 2018, vai elevar a remuneração aos acionistas em um cêntimo, para oito cêntimos.

O resultado líquido da EDP Renováveis subiu 52% para os 475 milhões de euros em 2019, face aos 313 milhões registados em 2018, informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Tal como em 2018, vai aumentar a remuneração dada aos acionistas — dividendos — em um cêntimo, para oito cêntimos.

Enquanto os lucros subiram para os 475 milhões, o EBITDA aumentou 27% para os 1.648 milhões de euros, contrariando a quebra de 5% que se observou em 2018 face ao ano anterior. As receitas, por sua vez, cresceram 7%.

“Como resultado da maior capacidade (+1% face a 2018, incluindo a desconsolidação do portfólio europeu de 997 MW), maior preço médio de venda (+2% face a 2018), impacto positivo de fx (+39 milhões face a 2018), maior recurso eólico (+50 milhões face a 2018), e o termo esperado dos PTCs de dez anos de certas estruturas de tax equity (- 33 milhões face a 2018), as receitas aumentaram para 1.824 milhões de euros (+7% face a 2018)”, refere a empresa.

A subsidiária da EDP notou ainda que os custos operacionais caíram 2% para 575 milhões de euros devido à “implementação de IFRS16 (concessões e rendas)”, que substitui a IAS 17 no que diz respeito à regulação de arrendamentos operacionais. Esta nova norma levou a um aumento do passivo (618 milhões), do ativo (616 milhões), das depreciações (33 milhões) e dos resultados financeiros (28 milhões).

O documento nota refere também que os resultados financeiros aumentaram para os 346 milhões de euros, uma subida de 128 milhões face a 2018, “com a comparação anual impactada pelos 87 milhões de ganhos contabilizados em 2018, oriundos da venda de participações em projetos offshore no Reino Unido e França, pelos 28 milhões derivados da implementação de IFRS16, juntamente com a dívida média mais elevada dado o diferente mix de moedas”.

Com estes resultados, e depois de a dívida da EDP Renováveis ter caído para os 2.803 milhões de euros, o conselho de administração revela que “irá propor uma distribuição de dividendos na assembleia geral de 69,8 milhões de euros”, o equivalente a oito cêntimos por ação. Este valor corresponde a um aumento de um cêntimo face a 2018, ano em que também já tinha havido uma subida no mesmo montante.

(Notícia atualizada às 8h11 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da EDP Renováveis sobe 52% para 475 milhões em 2019. Dividendo volta a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião