Galamba leva hidrogénio verde português até ao Japão. Quer captar investimento nipónico

O Governo pretende potenciar a produção e exportação de hidrogénio verde, estando a planear a conversão de infraestruturas para passar do transporte de combustíveis fósseis para o hidrogénio.

Com o memorando de entendimento entre Portugal e a Holanda praticamente assinado para arrancar no terreno com o mega projeto para a produção de hidrogénio verde em Sines, com destino ao país do norte da Europa, o secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, vai agora mais longe para apresentar em primeira mão as oportunidades de investimento nesta forma de energia não poluente.

De acordo com um comunicado do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, Galamba inicia a 24 de fevereiro uma viagem de quatro dias a Tóquio, no Japão, “para aprofundar as relações bilaterais empresariais e políticas entre os países. Acompanhado por 16 empresas, associações e instituições, o Secretário de Estado pretende explorar as sinergias que possam aportar valor à estratégia nacional de hidrogénio”.

Associação Portuguesa de Empresas de Gás Natural, Laboratório Nacional de Energia e Geologia e o Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica estão entre as empresas e instituições da área da energia, da mobilidade, das renováveis, da construção e da reparação naval que participam nesta viagem.

Em terras do sol nascente, o secretário de Estado com o pelouro da Energia vai encontrar-se com o vice-ministro japonês da Economia, Comércio e Indústria, Hiromasa Nakano, e o diretor-geral da Agency for Natural Resources and Energy, Yasuhiro Matsuyama. A comitiva portuguesa visitará também a 16ª edição da International Hydrogen & Fuel Cell Expo (FC EXPO 2020) e estão marcados encontros com várias empresas nipónicas.

“Com a crescente competitividade das energias renováveis em Portugal, o Governo pretende potenciar a produção e exportação de hidrogénio verde, estando a planear a transformação e conversão de infraestruturas para passar do transporte de combustíveis fósseis para o hidrogénio. Com o aparecimento de um mercado internacional nesta área, o Governo pretende colocar Portugal na dianteira desta oportunidade global. Esta aposta tem também reflexos na mobilidade sustentável, área na qual o Governo já desenvolveu medidas, nomeadamente parcerias para a produção de autocarros sustentáveis movidos a hidrogénio”, refere o MAAC no mesmo comunicado

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galamba leva hidrogénio verde português até ao Japão. Quer captar investimento nipónico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião