Covid-19: FMI diz que economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre

  • Lusa
  • 22 Fevereiro 2020

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, avançou que a economia da China poderá retomar a normalidade no segundo trimestre.

“No cenário atual, com a aplicação das políticas anunciadas, [há a possibilidade] de a economia da China poder retornar ao normal no segundo trimestre. Como resultado, o impacto na economia mundial seria relativamente menor e de curta duração”, disse Kristalina Georgieva, na reunião dos ministros das Finanças do G20, que decorre hoje e domingo em Riade, na Arábia Saudita.

Desde que foi detetado no final do ano passado, na China, o coronavírus Covid-19 provocou mais de 2.345 mortos e infetou mais de 76 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, em particular na província de Hubei, no centro do país, a mais afetada pela epidemia.

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 — uma emergência de saúde global — interrompeu as atividades [económicas] na China”.

“As autoridades chinesas estão a trabalhar para mitigar o impacto negativo na economia, com medidas de crise, de provisão de liquidez, medidas fiscais e apoio financeiro. Tive uma excelente discussão com o governador Yi Gang e outros altos funcionários, e assegurei o nosso apoio a essas medidas políticas”, garantiu Kristalina Georgieva.

De acordo com a responsável, o mundo ainda está a aprender “como o vírus se espalha”, considerando que as “incertezas são grandes demais para permitir previsões confiáveis”.

“Muitos cenários podem ocorrer, dependendo da rapidez com que o vírus é contido e da rapidez com que as economias, chinesa e outras afetadas, retornam à normalidade”, frisou, alertando, no entanto, estarem igualmente a ser analisados “cenários mais terríveis em que a disseminação do vírus continue por mais tempo e globalmente”, sendo as consequências de crescimento “mais prolongadas”.

Georgieva considera a “cooperação global essencial para a contenção do Covid-19 e o seu impacto económico”, sobretudo se o surto se mostrar “mais persistente e generalizado”, sendo importantes estar “adequadamente preparado para reconhecer o risco potencial para estados e países frágeis com sistemas de saúde fracos”.

O FMI está pronto para ajudar, inclusive por meio de nosso Fundo de Contenção e Ajuda em Catástrofes, que pode fornecer subsídios para o alívio da dívida de nossos membros mais pobres e vulneráveis”, reconheceu.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: FMI diz que economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião