AGCS passa de lucros a prejuízo anual de 284 milhões

  • ECO Seguros
  • 23 Fevereiro 2020

Principal unidade da Allianz para riscos globais e linhas de seguro no segmento corporate, a AGCS justifica as perdas com a constituição de reservas para gerir exposição prolongada a riscos.

A AGCS encerrou o exercício com 9,1 mil milhões de euros em valor bruto de prémios emitidos, cerca de 11,2% mais do que no ano anterior, conseguindo crescer mais de 10% (em média) no conjunto das 10 linhas de seguro em portefólio, incluindo renovações e 1,7 mil milhões de euros em novos contratos.

O acréscimo no volume de prémios emitidos compensou critérios mais apertados em novas subscrições e a redução da exposição a partes do negócio, mas não impediu 284 milhões de euros de prejuízo operacional em 2019, contra um resultado positivo de 282 milhões no ano precedente, revelam números da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS).

O rácio combinado (indicador que já vinha de situação negativa ao fixar-se em 101,5%, em 2018), alcançou os 112,3% no final de 2019, apresentando uma deterioração de 10,8 pontos percentuais (pp). Segundo explica a companhia em comunicado, “o contexto de indemnizações vindo do ano anterior por exposição [a riscos] de duração mais prolongada deteriorou-se” em 2019.

Este ambiente pressionou a atividade de subscrição e obrigou a mobilizar 591 milhões de euros para reservas, revela o documento. O esforço anulou os ganhos do ano anterior e impacta negativamente o balanço de 2019.

Enquanto as perdas relacionadas com catástrofes diminuíram face a 2018, verificou-se um incremento significativo das indemnizações por sinistros, nomeadamente na cobertura de responsabilidades contratuais, aviação e engenharia, concretiza a AGCS. A cobertura de riscos financeiros (no Reino Unido e Austrália); os custos com recall’ de produtos na Europa e despesas em linhas de responsabilidades gerais no mercado norte-americano foram determinantes para agravar o resultado técnico.

No entanto, a entidade salienta que apesar de algum decréscimo na rentabilidade dos investimentos, a gestão mais criteriosa da despesa ajudou, de alguma forma, a atenuar o desempenho negativo.

A AGCS, marca criada em 2006 como subsidiária integralmente detida pela Allianz SE, dispõe de equipas especializadas em 33 países, beneficiando ainda da estrutura global da Allianz, cuja rede e parcerias abrangem cerca de 200 países e territórios por todo o mundo.

Allianz SE alcança lucro operacional recorde

Apesar dos números desfavoráveis da sua unidade global especialista na gestão de risco e soluções à medida em 10 linhas de seguro Property-Casualty (P&C) para o mercado corporate, o grupo Allianz fechou o exercício de 2019 com um lucro operacional recorde.

Em comunicado, a companhia alemã de seguros e gestão de ativos fixa as receitas anuais consolidadas em 142,2 mil milhões de euros, 7,6% acima do alcançado um ano antes, com o lucro operacional a crescer 3%, para 11,85 mil milhões um valor recorde na história da Allianz SE.

O negócio Vida e Saúde foi o segmento em destaque em termos do crescimento de lucro operacional, sobretudo pelo acréscimo de volumes (receita total subiu 8,5%, para 76,4 mil milhões de euros). Além do negócio Vida e Saúde, o que tem maior expressão no balanço consolidado da Allianz, os seguros P&C contribuíram com 59,2 mil milhões de euros para a receita do grupo (+6,8% do que em 2018).

De acordo com os dados do balanço da matriz, as reservas para suprir eventuais necessidades da AGCS tiveram reflexo direto no resultado do segmento P&C do grupo e também se refletiu no rácio combinado desta atividade, o qual se deteriorou em 1,5 pp, face ao nível de 2018, para se fixar nos 95,5%.

A parcela seguinte do balanço mostra que o aumento das margens obtidas com investimentos e os ganhos gerados com operações não recorrentes (nos EUA) também beneficiaram a melhoria do resultado anual da Allianz.

A área de gestão de ativos (operação que é parcialmente partilhada com a Pimco) foi a terceira maior fonte de receitas (7,2 mil milhões de euros, a crescer 6,4% face a 2018) sendo também a terceira que mais contribuiu para o resultado operacional (2,7 mil milhões de euros, ou quase 7% acima do apurado um ano antes).

Assim, de acordo com as contas (ainda preliminares), a Allianz concluiu o exercício com lucros líquidos de 7,9 mil milhões de euros (+6,1% em variação homóloga), elevando o lucro por ação (eps) para um recorde de 18,90 euros por ação. A rentabilidade de capitais próprios (RoE) fechou o ano em 13,6% e, de acordo com a informação divulgada, o rácio de requisito de capital de solvência (‘Solvência II’) recuou cerca de 17 pp face a 2018, para 212%.

Mas, a Allianz adianta também que o valor do dividendo a distribuir dos lucros de 2019 será aumentado e que, em 2020, serão aplicados até 1,5 mil milhões de euros em recompras de ações próprias (share buyback), replicando o montante de recompras já realizadas em 2019, sempre com o objetivo de melhorar a remuneração dos seus acionistas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AGCS passa de lucros a prejuízo anual de 284 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião