Ciber-risco é a maior ameaça para empresas – Barómetro anual Allianz

  • ECO Seguros
  • 14 Janeiro 2020

O risco cibernético é, pela primeira vez, a maior ameaça para as empresas em termos globais, revela o Allianz Risk Barometer 2020.

O avanço do ciber-risco para o topo da lista como ameaça mais importante do mundo (39% das respostas do barómetro), relega para o 2º lugar a “interrupção de negócios” (37%) e decorre da perceção de que “os incidentes cibernéticos se tornaram mais prejudiciais e caros para as empresas, resultando geralmente em ações judiciais e litígios após cada ocorrência”, detalha o documento.

O conhecimento da ameaça cibernética aumentou rapidamente nos últimos anos, impulsionado por diversos incidentes de alto perfil e pela crescente dependência de dados e sistemas de TI. Há sete anos, o ciber-risco figurava no 15º lugar do barómetro, com apenas 6% de respostas.

A interrupção dos negócios desce no ranking, mas continua a ser um desafio importante com a digitalização e a agitação civil (greves; manifestações e atos de vandalismo), criando novas causas de interrupção e perda de receitas pelas empresas.

As mudanças climáticas constituem o risco que mais progrediu no barómetro, atingindo a posição mais alta de sempre (7º lugar, com 17% das respostas). As empresas estão mais preocupadas com as perdas físicas causadas por eventos climáticos extremos, mas também receiam críticas dos consumidores e aumentam as ações legais e regulatórias.

“A preparação e o planeamento dos riscos cibernéticos e das mudanças climáticas são uma questão de vantagem competitiva e resiliência dos negócios na era da digitalização e do aquecimento global”, afirma Joachim Müller, CEO da Allianz Global Corporate & Specialty, acrescentando que as empresas devem manter “vigilância apertada” sobre esses dois riscos na nova década.

A nona edição do barómetro anual da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) sobre os riscos globais que ameaçam empresas incorpora a visão de 2.718 especialistas em mais de 100 países, incluindo CEOs, gestores de risco, corretores e especialistas em seguros.

De acordo com Joachim Müller, “(…), existem muitos outros cenários de danos e interrupções, mas se os conselhos de administração e os gestores de riscos falharem em lidar com os riscos cibernéticos e de mudança climática, isso poderá ter um impacto negativo no desempenho operacional e nos resultados financeiros das suas empresas, e de reputação juntos dos stakeholders”.

Atualmente, “uma mega violação de dados – envolvendo mais de um milhão de registos comprometidos – custa em média 42 milhões de dólares, um aumento de 8% em relação ao ano anterior”, afirma Marek Stanislawski, um dos responsáveis pela área Cyber na AGCS.

Há cinco anos, um resgate típico em casos de ransomware (ataque viral com software malicioso) estaria na casa das dezenas de milhares de dólares. Agora pode estar na ordem de alguns milhões, observa o especialista.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ciber-risco é a maior ameaça para empresas – Barómetro anual Allianz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião