Coronavírus provoca pânico nas bolsas. Custa 2,2 mil milhões de euros à praça portuguesa

Foi um dia de pânico nas bolsas europeias com os investidores bastante apreensivos com o foco do coronavírus que já fez várias vítimas em Itália. PSI-20 registou pior sessão desde o Brexit.

Com o agravar do surto do novo coronavírus na Europa, depois de Itália ter contabilizado num espaço de poucos dias a sexta vítima mortal com chamado Covid-19, o medo e a incerteza tomaram conta dos investidores e das bolsas do Velho Continente. As quedas nos principais índices acionistas europeus foram acentuadas esta segunda-feira, com a bolsa de Milão a perder quase 6%. Por cá, o tombo de 3,5% tirou 2,2 mil milhões de euros ao valor bolsista do PSI-20.

O principal índice português caiu 3,53% para 5.197,09 pontos, num desempenho negativo como há muito não se via em Lisboa e que eliminou por completo os ganhos que tinha construído desde o início do ano. Foi a pior sessão desde o dia a seguir ao referendo sobre o Brexit, realizado no dia 23 de junho de 2016, e que levou o PSI-20 a derrapar 7%.

Nenhuma cotada nacional escapou à razia. Os grandes perdedores do dia vieram do setor da energia: a Galp tombou 3,88% para 13,74 euros, “emagrecendo” 430 milhões; a EDP derrapou 3,88% para 4,71 euros e perdeu 628 milhões em bolsa; e a EDP Renováveis, fechando em baixa de 2,15%, desvalorizou mais de 240 milhões de euros.

Entre as grandes cotadas, a Jerónimo Martins perdeu 2,76% esta segunda-feira, o equivalente a quase 300 milhões de euros de valor mercado. Isto enquanto o BCP afundou 5,16%, menos 150 milhões de euros naquilo que é o seu market cap.

The biggest losers no PSI-20

Fonte: Reuters

O cenário na Europa foi pior, com os investidores bastante alarmados com o crescente número de casos de infetados pelo Covid-19 fora da China, onde o novo vírus surgiu. O índice FTSE-Mib de Milão tombou 5,43%, na sessão mais negativa desde o dia em que os britânicos decidiram em referendo abandonar o projeto da União Europeia. É em Itália que incide a maior preocupação neste momento com o coronavírus.

Os principais índices de Paris, Frankfurt ou Madrid também registaram quedas em torno de 4%. O Stoxx 600, que serve de referência para a Europa, caiu 3,84%.

“Não foram os números que mudaram dramaticamente, mas o que mudou foi a geografia do surto, e isso adiciona um novo nível de preocupação”, referiu Art Hogan, analista da National Securities, citado pela agência Reuters. “O mercado está a tentar prever a dimensão do caso em termos globais e quando é que atingirá o pico”, acrescentou.

(Notícia atualizada às 17h06)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus provoca pânico nas bolsas. Custa 2,2 mil milhões de euros à praça portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião